Menu Fechar

Perdi-me… reencontrei-me

Carla Ribeiro

 

relatos 01 - abr14

Perdi-me…

Com tanta dor e sofrimento

Percebi que tinha perdido a minha identidade.

Deixei de ser eu mesma, para passar a ser o que queriam que eu fosse.

Com a amargura eu secava,

A dor consumia-me.

A prepotência controlava-me.

Fui deixando de ser Eu mesma.

Perdia a cada dia que passava, a minha identidade.

Tinha passado a agir e a ser o que achava que era correto,

O que achava que era necessário.

Cada comportamento parecia estar mecanizado.

Ficou apenas a vontade.

Mas que vontade era essa que me movia?

A vontade de Amar o meu filho.

E foi agarrada a esse Amor pelo meu filho,

Que percebi o quanto me afundava.

Percebi, que não podia continuar a deixar que me agredissem,

Que me coagissem…

Não podiam continuar a tratar-me como um objeto.

Um objeto que se muda de prateleira,

Que apenas adorna a casa.

Que está ali onde queremos e quando queremos.

Um dia acordei e percebi o quanto eu estava no fundo do poço.

relatos 02 - abr 14

Percebi que não podia lá continuar.

Se lá continuasse eu iria matar-me por dentro.

Meu Ser morria a cada dia que passava.

O Meu Ser perdia o brilho,

Perdia,

Já não tinha mais vontade…

Não,

Não quero mais…

Quero voltar a Viver,

Sentir e continuar a amar.

Mas que caminho devo seguir,

Como vou conseguir?

Tantas e tantas perguntas.

E tanto medo

Ergui a cabeça,

Olhei em frente,

Percebi que tinha que sair daquele buraco negro,

Sem Luz, sem vida, sem Sol.

Era urgente deixar aquele buraco

Onde o sol não nascia,

A lua não brilhava,

Só existiam duas cores, o preto e o branco.

relatos 03 - abr14

Comecei uma nova caminhada,

A caminhada do meu eu.

Voltar a nascer.

Como um renascer,

Sem nunca esquecer,

Que do Amor do meu filho,

Eu jamais me poderia esquecer.

Comecei a caminhar, sabendo que não seria um caminho fácil.

Tantas as pedras que tive que ultrapassar.

Barreiras e mais barreiras

Tinha para derrubar.

Mas a principal era eu mesma.

Como era urgente eu recuperar a minha identidade.

Necessitava voltar a aceitar-me

Era urgente voltar a sentir-me,

Respeitar-me…

Amar-me

Precisava reconhecer-me

Voltar a crescer.

Precisei voltar a sair da barriga da minha Mãe

Como se tivesse que voltar a aprender a andar.

E o caminho era longo

E tantas foram as vezes em que pensei,

Chega, vou desistir

Como dói, como tudo dói…

relatos 04 - abr14

Mas olhava a minha volta

O brilho do sorriso do meu filho,

A candura da sua fragilidade.

E voltava a ganhar força para continuar.

Sempre uma agressão a tentar derrubar-me

Mas lentamente eu estava mais forte.

Eu já não chorava,

Até já respondia.

Já não me calava quando ele me agredia, e me tratava mal.

Percebi então que voltava a ter força,

Que lentamente o meu castelo de palha e papel

Ficava mais forte e seguro

Lentamente ganhava estrutura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

E a cada dia que passava e voltava a caminhar

E a cada passo que eu dava eu abri-a portas,

Portas cheias de Luz, de brilho e com amor.

E sempre durante toda esta caminhada

Eu sempre Amei,

Amei o meu filho

E sim

Sim eu aprendi,

Aprendi a voltar a amar-me.

relatos 06 - abr14

Sim,

Eu reencontrei-me…

relatos 07 - abr14

 01abr14

Partilhe:

30 Comments

  1. Carla Ribeiro

    obrigada a todos pelas vossas palavras e pelos vossos testemunhos,
    que são muito importantes.
    até breve
    bjnhs

  2. Carla Ribeiro

    Luis,
    Obrigada
    e a vida faz-se caminhando e viajando,
    bjknhs e grata pelos caminhos que me abriste e abres, pelao Amigo que és
    pela pessoa que és
    bjnhs

  3. Carla Ribeiro

    Obrigada Manuel,
    um dia espero levar-te a ver o que de tanto Amor podemos receber em cada noite e sentir o oposto do que de dor relatei aqui, bjnhs ate breve

  4. Artur José Vieira Tavares

    O SEU PENSAMENTO é a sua crença.É naquilo que mais pensar,que um dia se há-de tornar.
    Somos criadores dos nossos bons ou maus hábitos.Os traços do nosso carácter,assim como o nosso destino,são o resultado dos nossos pensamentos habituais.
    Acabamos por ser exactamente o que pensamos que somos.Por isso,vamos pensar sempre em coisas boas e positivas a nosso respeito.
    Parabéns e um beijo.Artur Tavares

  5. MRIBEIRO

    NA VIDA POR VEZES QUEREMOS DAR AQUILO QUE NÃO TEMOS E POR VEZES NÃO NOS APERCEBEMOS DISSO, ATÉ QUE UM DIA ACORDAMOS E SENTIMOS QUE JÁ NÃO SOMOS NÓS E QUE APESAR DE EM SOCIEDADE ESTAMOS SOZINHOS E TRISTES.
    FELIZ AQUELE QUE CONSEGUE PERCEBER QUE ASSIM NÃO DÁ E MELHOR AINDA, DAR A VOLTA POR CIMA.
    CONTINUA A TUA LUTA E A DE MUITOS, QUER POR TI QUER PELO AMOR AOS OUTROS, FICA BEM

  6. Anónimo

    Ainda bem que te reencontraste. Que o teu exemplo sirva para desperar consciências amedrontadas, para que possam descobrir o verdadeiro sentido da liberdade.
    Excelente relato, escrito neste caso na primeira pessoa.
    Bem hajas.
    Bjinho grande por tudo que ensinas…

  7. Manuel C.

    Menina CARLA (melguinha)
    Agora com toda a força e esse SENTIMENTO todo, coragem sempre enfrente sem olhar para traz.
    O Poema, para mim é Lindo, muito LINDO.
    Parabéns
    Bjnhos?

  8. Carla Ribeiro

    Amiga, sem duvida uma longa caminhada que já vimos fazendo com amizade.
    espero que muitos mais anos se sigam
    bjnhs

  9. Artur José Vieira Tavares

    “Que importa a vida que passou?Que importa,Se inda te amo,depois de amores tantos,E inda tenho,nos olhos e na boca,Novas fontes de beijos e de prantos?!”

    “tivesse ainda tempo e entregava-te o coração.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.