Menu Fechar

Nem… nem!

Maria de Lourdes dos Anjos

Estamos na era dos cortes. Corta -se a posta do peixe mais fininha, os pedacitos de frango mais pequenos, corta-se no pano da saia , corta-se em tudo até nas letras, nas palavras, nas frases…Por aqui ,  até já se corta nos  palavrões tripeiros e fica-se pelo…”da-se” ou “que o pariu”…coisas da crise!

No meu tempo dizia-se: Nem assim nem assado, nem tanto ao mar, nem tanto à serra; nem oito nem oitenta; nem “coisa” nem sai de cima… agora é nem, nem!

velhos - 01out14

A geração dos diplomados, doutorados e mestrados e também “amestrados” nem terra nem sachola. Os mais velhotes nem força para partir nem lugar para ficar. Os velhos mesmo velhos, com reumático, Parkinson, Alzheimer, com diabetes, colesterol, ácido úrico, cataratas, unhas encravadas e hipertensos, com cortes constantes nas suas reformas milionárias e com filhos desempregados, netos para ajudar a criar e ainda uma filha aleijadinha dum dedo, divorciada e cheia de celulite. esses, como eu ia dizendo, velhos e cortados às fatias fininhas, muito fininhas nem fraldas nem coisa para mijar fora do penico…enfim estamos todos “nem, nem”!

Olho em redor e não encontro nem comunas nem comunistas, nem xuxas nem socialistas nem  passado nem presente, nem verdade nem gente com vergonha, nem política nem gente para a fazer, nem valores pelos quais lutar nem vontade de projetar a batalha  do futuro. Tudo pior que antes já nem temos Quartel-General em Abrantes…foi vendido a um chinês endinheirado!

Está tudo nem, nem…nem há pachorra que  aguente isto

Um ministro que parece que foi professor  pede desculpa da porra que faz porque nem sabe como funcionam as escolas nem quer saber como trabalham as pessoas que até podem e devem dar rosto ao futuro. Nem lembra ao diabo! Outra senhora ministra com cara de esgrouviada, por acaso loira, que parece que foi juíza ou advogada ou pertence a esses gabinetes jurídicos que pertencem a amigos de outros amigos… faz cagadas sobre cagadas na justiça, dá cabo do sistema que já estava emperrado há milhões de anos porque, por acaso, até só assim é que beneficiava alguns amigos dos tais amigos, que caíam em desgraça e coitada da senhora mais loira e ainda mais esgrouviada, nem sai nem fecha a porta mas pede desculpa aos portugueses e portuguesas (agora dizem todos assim…) porque fica bonito na TV e nunca um ministro tinha pedido desculpa… também tanta porcaria junta foi difícil… carago! Nem sei como conseguiram tanto estrume na mesma seara.

chineses - 01out14

Olhem amigos, nem me apetece escrever nem perder tempo com estes inteligentes senhores feudais mas também não sei se aguentamos por muito mais tempo tanta fajardice.

Está tudo tão mudado, tão baralhado que eu, eu  que adoro coisinhas doces (caprichos da idade) ando agora virada para os Salgados…quero  estudar a receita para  enriquecer  brincando aos pobrezinhos…Nem  calculam  as crises de fígado que tenho sofrido com esta receita alentejana… fico desesperada porque tudo o que tento é inútil e nem a gente come nem o Salgado é preso!

Fiquem bem que eu já nem sei o que pensar deste país! Nem sei se vos confesse que parece que os portugueses foram vendidos como escravos ao capital estrangeiro, mas não sei se é massa chinesa, churrasco à angolana, alemã nem seiestou completamente “nem, nem”…

minhas historias - 01out14

O POUCO QUE SEI E QUE SOU…

Não vão comigo as minhas estórias

As minhas estórias…minhas!

como se elas fossem minhas…

São apenas retalhos de vidas, são memórias

que guardei num ninho vazio de andorinhas.

São lágrimas sufocadas de sofridos catraios

São gargalhadas ressequidas, tristes e velhas

São noites  medonhas, iluminadas por raios

São chapas e tábuas que sonham ser  telhas

São luto e lutas eternamente adiadas

São sonhos mortos na hora de nascer

São caminhos com saídas por romper

São um povo que devia ter renascido

depois de abril ser nome e ter crescido

As estórias que vivi, sem serem minhas,

são o vôo de regresso das andorinhas…

A flor do alecrim que desafia o nevoeiro

e a vida retalhada que amo por inteiro

São a alma feita de pequenos nadas

e a esperança d’inventar novas madrugadas

Não! Não vou levar comigo a fonte, o chão e a raiz

o sol, a flor e a semente que me fizeram feliz

Quero partilhar convosco o que o Povo me ensinou

e deixar-vos, a todos, o pouco que sei e o que sou.

agenda

EM OUTUBRO, POR AQUI VAMOS SEMEANDO POESIA

Dia 01Sindicato da Função Pública-15h30

Dia 04Casa da Cultura de Paranhos-16h00

Dia 04Centro Recreativo de Mafamude-22h00

Dia 05Centro Republicano de Fânzeres-17h00

Dia 10ACAPO, Rua do Bonfim-21h00

Dia 11Estudos Brasileiros-16h00

Dia 17Flor de Infesta-21h30

Dia 18Galeria Vieira Portuense-16h00

Dia 25Vizela, Hora da Poesia-21h00

Dia 31Associação de Pais da Senhora da Hora-21h30

 

 Fotos: Pesquisa Google

 

01out14

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.