Menu Fechar

Plataforma 2 – adrenalina “on top”!

 Álvaro Reis (*)

Há cerca de dois anos e meio escrevi em “ondaseventania.blogspot.pt” sobre a estação de caminhos-de-ferro de Ovar, não só para chamar a atenção do aspeto muito pouco simpático que então ofereciam os escombros das antigas oficinas ferroviárias, mas também e sobretudo pelo perigo que a plataforma 2 (que serve de apoio, entre outros, aos passageiros que viajam no sentido do sul), pela sua reduzida largura, representava para a segurança dos utentes.

Estas duas situações, em meu entender, requeriam soluções enquadradas num projeto de correção do traçado da linha férrea ao passar por Ovar. Infelizmente, nada foi feito desde então e a estação de Ovar continua com ar descuidado e sobretudo muito perigosa!

Estação de Ovar (foto satélite): e a "barriga"
Estação de Ovar (foto satélite): e a “barriga”

O facto da localização da estação se situar numa “barriga” da linha férrea é, só por si, motivo de grande preocupação, pois a aproximação de comboios sem paragem na estação é repentina e consequentemente perigosa. Tão pouco o som das campainhas das passagens de nível mais próximas é suficientemente audível em certos momentos (com maior ruído ambiente e com uma direção e intensidade de vento desfavoráveis).

Volto a insistir, como o fiz no passado, que é muito importante a autarquia diligenciar junto do poder central no sentido de uma intervenção urgente na estação de Ovar, nomeadamente ao nível da linearização do traçado da via e do alargamento da estação com passagens seguras entre plataformas.

Uma questão da maior importância é a que diz respeito à reduzida largura das plataformas.

A largura da plataforma 1 é de cerca de 2,5 metros. Quando os comboios alfa pendulares ou as composições de mercadorias, que parecem não acabar, passam na linha 1 a alta velocidade, a deslocação do ar não deixa ninguém descontraído.

Ora este problema coloca-se ainda com maior relevância na plataforma 2, que serve as linhas 2 e 3. Mesmo em frente à estação, a referida plataforma tem pouco mais de 2 metros! À passagem de comboios rápidos a deslocação do ar é de tal forma intensa que pode facilmente provocar a perda de equilíbrio dos utentes que aguardam na mesma, com uma possível e fatal queda para a linha!

Plataforma 2
Plataforma 2

Sobretudo aos Domingos de tarde são inúmeras as famílias que se despedem de familiares ou amigos que viajam nos comboios intercidades no sentido de Aveiro, Coimbra, Lisboa. As últimas carruagens das composições só param para norte da passadeira que liga as plataformas 1 e 2, e é aqui que o problema da largura da plataforma 2 se agudiza ainda mais, pois a sua largura reduz para uns estreitos cento e pouquinhos centímetros.

Entretanto, nesta zona, o comboio sempre a travar ainda não parou. É preciso coragem para estar ali especado à espera que o comboio imobilize. O melhor mesmo é malhar (saltar) para a linha 3 não vá o diabo tecê-las. Um verdadeiro exercício de “stand-up”, pois é preciso voltar a subir a plataforma (difícil!) para embarcar. O comboio não espera muito tempo.

Pois é! Mas não é com “malhanços” destes que Ovar vê melhorada a segurança e a qualidade de vida dos seus cidadãos. Não podemos continuar a confiar na sorte que até aqui tem evitado consequências mais graves!

Este grande barco que é a cidade sede do concelho precisa de quem, com experiência, clarividência e rasgo, queira apostar no desenvolvimento de obras estratégicas, ao invés de intervenções avulsas, como que puxadas da cartola, meramente pró-voto!

PS: Este apontamento não é ficção. Como utilizador desta plataforma 2, nomeadamente ao domingo de tarde, informo que o texto só peca por não ser capaz de transmitir de forma ainda mais “viva” a sensação de insegurança e perigo experimentadas in loco.

(*) Leitor

Fotos: Enviadas pelo leitor

01mar17

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.