Menu Fechar

Coisas de quem é Feliz

Bruno Ivo Ribeiro

Seja a Felicidade um assobio na boca de qualquer inebriado pela vida, e seja o Universo o álcool que nos correrá eternamente nas veias e nas artérias do nosso corpo, desta humanidade tão desumana.

Quem se escapa apenas fenece desta amarga e doce Vida. Quem se esquenta e se escalda com os desígnios que deste mundano e redundante, bem como redondo, mundo fazem parte; apenas à cova, nova rota e mais rápida têmpera tem em conta que lá dará com o melhor vento que surja, na turvaria de uma esquina do cruzamento seguinte.

Quem é de mar e de sol, e som e silêncio, ou entre escumas e espumas faz brotar luz, onde esta já silenciada, jaz em alto pregão à mocidade vindoura; é ainda a esperança de Primaveras consequentes.

Mas aquele que encara o sol com o amor que acarta em si no peito, com esse mesmo amor que provém desse luxuoso e incauto cofre de sangue, que aos quatro nortes faz bater em ritmo descompassado e sensitivo o sentimento dos amantes; desta mesma forma que se olham e se beijam, olhará aquele para o astro alto e dourado, que doura, ilumina, rege e guarda, alimenta e nutre, este mundo de sombras e de seres sombrios.

coisas - bruno ribeiro

A melodia apoteótica que vibra e faz vibrar.

O ritmo que faz pulsar a vida.

O amor de que se nutrem os veros amantes, familiares e amigos.

As relações sem sangue mas cravadas de invisíveis e apertados glóbulos vermelhos bem como brancos e plaquetas sorrindo.

E todos os sorrisos sentidos, dados e imaginados.

São puros atos da criação do silêncio.

São consequências da sinceridade.

E são a luz, daqueles e naqueles, onde já botou a água eterna, o brilho nos olhos, ou o abraço de quem são.

Foto: Bruno Ivo Ribeiro

01jul17

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.