Menu Fechar

Vamos poetizar nas férias

 Carla Ribeiro (*)

A coluna Relatos, e eu voltamos brevemente, com novas temáticas, e já na secção “Registos” deste jornal, mas, para já, deixo-vos alguns poemas bem recentes.

Quem se lembra de ti?

Quem se lembra de ti?

Tu, que tens na Lua a escuridão da noite,

E, no sol a cor do dia.

Quem se lembra de ti?

Tu, que moras aqui e acola,

Que buscas no lixo, o alimento de hoje,

E encontras nas flores,

Ou numa beata de cigarro,

O  amigo que te cala a solidão…

Quem se lembra de ti?

Tu, que no cimento frio da estrada,

Ou numa calçada portuguesa,

Fazes parte da história,

Do ADN da nossa sociedade.

Quem se lembra de ti?

Se tens frio ou calor,

Se estás limpo ou sujo, seco ou molhado…

Tu que moras aí todo o ano,

Que castraste os teus sonhos,

Num devaneio, de vida sem vida,

Há procura de um simples cartão,

Onde repousar a solidão…

Quem se lembra de ti?

Carla Ribeiro

2018.02.09

@ Reservados Direitos de Autor

Este para que sempre recordem os meus Amigos de Rua, que mesmo de férias, continuam lá há nossa espera. Para eles, nós não temos férias…

FOTO_ VAMOS POETIZAR NAS FÉRIAS_1

Foi desalojado…

Foi desalojado…

Fecharam-lhe as portas,

E teve de partir…

Perde o tudo e o nada.

Veste novamente, as vestes da solidão,

E segue caminho,

Sem rumo e sem destino,

Na busca de um novo lar…

Foi desalojado…

Acompanha-o a lua,

Aconchega-o o sol,

A chuva faz travessuras,

E o frio, congela-lhe a dor…

Foi desalojado…

Gritam as ruas, quando ele passa,

Não o querem ali…

 

Desalojado…

É o lixo de uma sociedade,

Que alimenta o bolso, que não é dele…

Foi desalojado…

Empurrado para a rua,

E dela não sabe sair…
Desalojado, grita de sentimentos,

Que lhe sufocam a voz,

E toldam os movimentos…

Desalojado…

E, é no breu da noite que se vai alojar,

Carregado de solidão…

Desalojado…

Carla Ribeiro

2018.01.21

@Reservados Direitos de Autor

O Amor, sempre o Amor e o mar, são também o meu caminho…

 

A brisa suave, abraça-me

Sinto o teu perfume, nessa brisa suave,

Que o mar leva e traz…

Cobres o meu corpo,

E nele fica o teu perfume,

Que me cobre de caricias.

Recosto-me na areia,

E, sinto–te puxar o meu corpo para o teu.

Esta brisa suave,

Deixa nos teus lábios, um gosto de sal,

Que invade os meus lábios, sedentos dos teus…

Este mar, que me abraça,

Estes beijos que me agitam,

Num frémito desejo, de te navegar.

Puxas os meus cabelos,

Como quem agarra o sargaço,

E o atira na areia…

Banhas o meu corpo, com beijos de sal,

E caricias suaves de brisa,

Neste mar calmo e bravio…

Sublimamos o nosso nadar,

Nestas ondas bravias,

De quem deseja sublimar,

O desejo de Amar…

 

Banhamo-nos…

E no meu corpo, cravaste o teu perfume, de sal…

Carla Ribeiro

2018.06.23

@Reservados Direitos de Autor

 

Boas Férias

Até breve com novos “sentir”, novos “amar”…

Namasté

 

(*) Texto e fotos

 

01ago18

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.