Menu Fechar

Adormecido ou desperto

Carla Ribeiro

Muitas pessoas não têm a capacidade de se olhar a si mesmo, de se reconhecer nas suas atitudes e carácter, num olhar introspetivo, de respeito, amor, verdade, companheirismo e até cumplicidade.

Um olhar para si mesmo…

Os preconceitos, as ideias preconcebidas, a virilidade e frivolidade dos seus sentimentos, as suas ideias, a sua falta ou escassez de carácter, não lhes permitirão ver.

O ser humano é uma máquina altamente sofisticada, mas também pouco desperta.

Esses, poucos despertos, são os verdadeiros Homens da nossa Sociedade.

Os Homens não meditam, não fazem processos introspetivos, como se estivessem perfeitamente adormecidos.

Se olharmos há nossa volta, podemos observar os animais que se defendem, os pássaros que parecem tão frágeis e num voo de rapina, aí estão eles a defender o seu território e a sua espécie.

Até o rato, é um ser mais desperto do que o Homem.

Ficaríamos certamente admirados, se olhássemos em nosso redor e, constatássemos que o Homem, é talvez a espécie mais adormecida, que temos à face da Terra.

O egocentrismo, o vaidosismo, a falta de Amor-próprio, Amor verdadeiro e incondicional, toldam e adormecem tantos Homens na pequenez da sua existência.

Saber Amar incondicionalmente é Amar com o olhar do coração, e são tão poucos os seres Humanos que sabem esse significado…

Adão e Eva foram expulsos do paraíso por terem comido o fruto que os adormeceu.
Deixaram de ser, seres despertos, tornando-se uma mente.

A grande maioria dos Homens, estão poucos despertos, e esses são os verdadeiros Homens, os outros adormecidos, perdem a consciência.

O contato com a natureza torna-nos seres mais despertos e atentos, mas torna a natureza também ela mais atenta.

Necessitamos de um equilíbrio para viver, e é também na energia da terra, do solo, dar árvores…e de toda a natureza que conseguimos este equilíbrio, para não estar adormecidos e sermos Humanos despertos de mente sã.

Viver é Amar, e sem Amor, a vida perde a cor.

Desperdiçamos, tantas das nossas energias, com mesquinhices, e futilidades, mas a vida, tem a cor com que a pintamos a cada dia.

E, é nessa energia policromática, que também encontramos o Amor, e as energias positivas que nos fazem caminhar e despertar.

Não desperdice a vida, não ignore os sentimentos, e vive cada cor com o pulsar da energia da natureza, que é o Amor, verdade, companheirismo e até cumplicidade.

desperto ou adormecido

Escuta-te…

Deixa, que o vibrar da natureza te invada.

Coloca a mão na árvore, fecha os olhos,

Sente o vibrar do teu corpo, e escuta-te.

Esquece que existe um mundo há tua volta,

Ignora o riso e voz das pessoas.

Centra-te em ti,

No teu eixo bioenergético, e respira fundo,

Somente tu e a natureza… 

Sente…

Com os pés descalços,

A energia da terra,

Abraça a árvore,

E sente…

 

Sente que também ela precisa de ti,

Nessa troca simbiótica, de descoberta de energias,

Sente o pulsar da árvore, as lágrimas e dor,

E juntos encontremos um pulsar de equilíbrio,

Onde só existe tu e a natureza,

Num eixo bioenergético…

 

Escuta-te…

Abre as portas da tua casa,

E sente o pulsar da vida na raiz da tua existência.

 

Escuta-te…

Carla Ribeiro

2018.09.27 (8:05)

@ Reservados Direitos de Autor

 

Obrigada

Até breve com novos “sentir”, novos “amar”…

 

Foto: pesquisa Google

01nov18

 

Partilhe:

11 Comments

  1. Liege Vaz

    Texto e poesia de grande profundidade, e marcada por grande reflexão. O homem tem sido falho em suas muitas ações neste planeta e, com isso, ainda dorme para as causas urgentes, tão necessárias a espécie humana. Parabéns poetisa Carla Ribeiro, por esta magnífica pérola.
    Feliz semana de luz e paz.
    Boa noite.

  2. Maria De Lourdes Barni

    Forte e intenso, reflexão e poesia em harmonia.
    Gostei muito amiga, fica aqui com um sabor de quero mais porque não te conhecia a prosa e é muito boa.
    Bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.