Menu Fechar

Destino

Carla Ribeiro

Ouvimos tantas vezes dizer, que todos temos o nosso destino traçado.

Mas que destino será este?

O que é o destino?

Um dia ouvi uma frase “A vida é como uma caixa de chocolates, nunca sabemos o que vamos encontrar”, e nesta dualidade e no crescer, a vida vai acontecendo, com ou sem destino marcado.

Somos a tela de um criador, a energia do universo, e o reflexo das nossas atitudes.

Vivemos cada dia, na busca do tempo, sem sabermos se o ganhamos ou perdemos, sem saber se quer se o vivemos.

Somos tempo sem tempo, vida sem vida, ou simplesmente uma brisa no tempo nómada e errante.

Vivemos no sono do sonho, acordados para uma vida corrida nos trilhos do destino, ou numa viagem no comboio da fantasia, que dizem ser a vida, essa que o destino traços, e que como os chocolates… nunca sabemos o que vamos encontrar.

Temos apenas uma certeza, a de que um dia, um dia seremos o pó da vida…

Com ou sem destino, com sonhos e desventuras, todos os dias nasce uma nova aurora, que nos dá a oportunidade de um novo continuar.

Somos nós que trilhamos os caminhos, que fazemos as nossas opções, e com elas, seguimos ou enganamos o destino. Essa resposta, não tenho, deve estar escrita na linha suave linha onde o sol beija o mar, em linha invisível, numa tela incolor.

A vida eleva-se a cada gesto, simples e singelo, que a cada segundo deixamos cair do relógio, numa simbiótica energia, que nos energiza a vida, nos alimenta a alma e o coração.

Somos pedaços de sonhos, vividos ou castrados, somos sono desperto, que se alimenta na raiz da vida.

Somos destino sem rumo, num caminho a trilhar.

Um dia sonhei que era capaz,

Hoje sei que sou capaz.

DESTINO - 1

E, porque só nos voltaremos a encontrar, depois de passadas as festas natalícias, deixo-vos umas palavras, já com gosto de Natal.

Como é para ti o Natal?

Como é para ti o Natal?

Para ti, que vives nas ruas da cidade,

Num qualquer recanto, frio e sombrio,

Embrulhado na solidão…

Como é para ti o Natal?

Esse que carregas no olhar,

E que nos meus, eu quero ver e sentir.

Como é para ti o Natal?

Quero fazer dos teus olhos os meus,

E percorrer esse teu Natal,

Nesse palco onde moras…

De que tantos falam,

Mas tão poucos sabem sentir…

Como é para ti o Natal?

Nessa tela que pintas, nas mãos,

Com as cores da dor, saudade e recordação…

Que pintas com o sangramento da alma,

E as lágrimas do coração…

Como é para ti o Natal?

Que transportas na lágrima da solidão,

Que se rasga do teu peito,

Nesse emaranhado de recordações.

Como é para ti o Natal?

 

Carla Ribeiro

2017.11.24

@ Reservados Direitos de Autor

DESTINO - 2

Obrigada

A todos sem igual,

Eu quero agradecer.

Quero a todos vós desejar um Santo e Feliz Natal, na companhia dos que vocês mais Amam.

Que seja Natal, hoje, ontem, amanhã, e todos os dias das vossas vidas.

Obrigada fica tão pequeno para o quanto tenho para vos agradecer.

Até breve com novos “sentir”, novos “amar”…

Namasté

Fotos: pesquisa Google

01dez18

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.