Menu Fechar

“Guarda-Chuvas” ao Sol

Weihua Tang

Um dos meus alunos foi à China no ano passado. Quando voltou à primeira aula de Chinês 2, mostrou-me uma foto que tirou em Shanghai naquela altura.

De facto, não me admirei com a imagem pois já não era uma novidade para mim. Contudo, para quem nunca viu tantos guarda-chuvas no chão, num dia de sol e, acima de tudo, todos eles com uma folha de papel colocada em cima, preenchida com os caracteres chineses, é óbvio que seja anormal, estranho e incompreensível para quem nunca viu.

Espontaneamente, o aluno perguntou-me o que estava escrito no papel, não só pela curiosidade, mas também por este “fenómeno raro”. Evidentemente que se notou a admiração e a reação de espanto dele, assim que eu disse o que realmente era. Afinal o que é que estará escrito no papel?! Suponho que não esteja ao alcance da sua imaginação. Não é publicidade, não é aluguer, não é uma feira qualquer, não é um poema muito menos um artigo, são simplesmente “dados pessoais”!

Imagine! São apenas informações dos filhos as quais colocaram nos guarda-chuvas. É mesmo real! Claramente que são os pais a tentar encontrar ou arranjar namorados para os seus filhos ou filhas. Aos olhos dos ocidentais, é quase impossível acreditar e aceitar. É ou não é?! Até parece um bocadinho “ridículo”, hoje em dia, em pleno Século XXI, numa megacidade internacional, moderna, bem conhecida e avançada, como Shanghai, ainda existir esta maneira de procurar os namorados para a nova geração.

Na realidade, isto tem a ver com uma “velha tradição”, na China. Antigamente, os casamentos da “sociedade feudal” eram “combinados” ou “arranjados” pelos pais. Ou melhor dizendo, os amigos, vizinhos ou conhecidos tinham um “compromisso de casamento” entre as duas famílias caso nascesse uma menina ou um menino. E um ditado antigo Chinês explicita bem essa situação como “casar primeiro, namorar depois”! A vontade ou desejo dos pais era bondosa e gentil para que pudessem arranjar um “casamento compatível” para os filhos viverem bem e felizes. É perfeitamente entendido!

Quanto a este “fenómeno” no parque em Shanghai, é um “fenómeno individual ou particular” e não “muito comum ou popular”, pois também apareceu na capital Beijing e em outras cidades. Qual é a diferença entre o “casamento combinado” e os anúncios num sítio público? Honestamente, o fenómeno atual é mais aberto, mais livre, mais frontal, mais opcional! Aliás, este “mercado” é aceite e começou a crescer e significa que as pessoas são cada vez mais tolerantes! Provavelmente é um símbolo de desenvolvimento da sociedade. Só que os “modos” mudaram mas o “principal objetivo” mantém-se.

Um poema da Imperatriz CIXI da Dinastia Qing que se segue, ilustra melhor a “ verdadeira intenção” dos pais:

Os sentimentos dos pais, os mais autênticos,

São

Lágrimas e sangue misturados no corpo dos filhos

Vão

Para quem eles dedicam todo o amor

O coração dos pais merece toda a consideração

Foto: Diogo Vasconcelos

01mar19

 

 

 

 

Partilhe:

3 Comments

  1. maria Fernando

    A diversidade cultural é uma dádiva fantástica! Texto óptimo para nos fazer compreender como a cultura dos nossos antepassados ( em qualquer lugar do mundo) está enraizada em nós e se vai adaptando à nossa realidade actual. Fantástico!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.