Menu Fechar

Raúl Dória

Raúl Dória, de seu nome completo Raúl Montes da Silva Dória, nasceu no Porto, na freguesia de Santo Ildefonso, a 6 de Janeiro de 1878, sendo filho do industrial de alfaiataria José Maria da Silva Dória e de Emília Montes da Silva Dória, natural, esta, da freguesia do Bonfim, no Porto. Dória frequentou o Curso de Comércio do Instituto Industrial e Comercial e foi um contabilista reputado, um professor dedicado, além de autor de várias obras didácticas, relacionadas com a sua especialidade.

Ainda, enquanto estudante, em 1900, começou a dar explicações, não só a alguns dos seus colegas do Instituto, como de Escrituração Comercial a dois alunos do professor Santos Pousada. Foi, a partir deste grupo que se reunia no seu pequeno e modesto quarto de estudante, na Rua de Santa Catarina, que nasceu o fulcro da escola que haveria de fundar, no ano seguinte. O seu quarto foi alargado, deitando abaixo uma parede para conseguir, desta forma, mais espaço para albergar um número maior de alunos. Aí, criou o denominado Curso Comercial e Caligráfico.

Busto de Raúl Dória retirado (roubado) do Largo Tito Fontes

O êxito deste ensino, de características muito práticas, levou Raúl Dória, no final do ano lectivo de 1901/1902, a mudar o curso para um andar na Rua de Santo Ildefonso, nº. 428, onde prosseguiu o seu trabalho docente. Depressa, também este espaço se tornaria exíguo para o número de alunos em constante crescimento, o que o levou a alugar uma casa de dois andares, em 30 de Novembro de 1902, na rua do Bonjardim, nº 235, dando-lhe o nome de Escola Prática Comercial. Fundava, então, no Porto, com apenas 24 anos, a primeira escola, deste género de ensino.

Escola Prática Comercial, no edifício da Rua do Bonjardim, onde foi fundada em 1902

Com a escola mais estabilizada, Raúl Dória começou a estruturar cursos e a criar programas para as diferentes disciplinas, bem como a recrutar professores com boas credenciais para leccionarem nesta instituição de ensino. No final de 1903, era publicado o seu primeiro programa que incluía já o ensino de duas línguas estrangeiras, o francês e o inglês.

Passados dois anos, a escola mudou novamente de instalações, para um prédio, também de dois andares, na rua de Fernandes Tomás, nº 424.

Edifício da Escola na Rua de Fernandes Tomás

A especialidade da Escola era o ensino comercial, de carácter eminentemente prático e muito à imagem do que era praticado em escolas congéneres estrangeiras, daí a fixação do nome de Escola Prática Comercial Raul Dória. O ensino tinha um cunho tão prático que Raúl Dória introduziu a enorme inovação de os alunos trabalharem, nas aulas, com réplicas de notas de banco, moeda de cobre e de ouro, estampilhas postais e fiscais,… No começo de cada ano lectivo, cada aluno recebia, além dos livros de escrituração e documentação respectiva, também, as facturas, letras, recibos, livros de cheques, cadernetas de depósitos, papel de carta timbrado, etc., e, ainda, uma certa quantidade de “dinheiro” em moedas e notas, com a finalidade de os alunos “efectuarem” as suas transacções, como se estivessem a gerir uma casa comercial. Nas aulas de Escrituração, havia troca de correspondência entre os alunos, em português, francês e inglês, conforme as circunstâncias.

Em Maio de 1906, Raúl Dória deslocou-se a Paris para visitar instituições que leccionavam um ensino prático comercial e o que mais o fascinou foi o ensino feminino, na Escola Profissional e Doméstica, onde se preparavam as jovens francesas para a vida de casa. Assim, de regresso a Portugal, lançou o novo curso de Economia Doméstica, destinado às senhoras. Contratou sete professoras que leccionavam áreas como Costura e Corte, Bordados, Culinária, Higiene Doméstica, Economia e Escrituração Doméstica, Contabilidade, etc. Contudo, os tempos eram ainda de recato para as mulheres e a frequência de estudos era mal compreendida numa sociedade que entendia que o papel da mulher era apenas em casa, como esposa e mãe.

Escola Comercial Raúl Dória no Palacete das Lousas

Decorridos pouco mais de dois anos sobre a instalação da Escola, na Rua de Fernandes Tomás, o prédio era já de espaço muito limitado para o que Raúl Dória sonhava e, novamente se procurava um espaço maior. A atenção de Raúl Dória recaiu num imponente edifício, rodeado de jardim, na rua de Gonçalo Cristóvão, o Palacete das Lousas, edifício já demolido que ocupava parte do espaço, onde se encontra o edifício do Jornal de Notícias. Aí se instalou definitivamente a Escola, a 9 de Outubro de 1907.

A Escola Prática Comercial Raúl Dória, estabelecimento de ensino particular, foi considerada a primeira Escola desta especialidade de ensino, na Península Ibérica, que se baseava em métodos práticos, preparando pessoas competentes para as funções comerciais. A Escola esteve em actividade até ao final do ano lectivo de 1963/64.

Raul Dória faleceu prematuramente, de tuberculose pulmonar, em 15 de Setembro de 1922, com 44 anos, estando sepultado em jazigo de família, no cemitério do Prado do Repouso.

Obs– Por vontade da autora, e de acordo com o ponto 5 do Estatuto Editorial do “Etc eTal jornal”, o texto inserto nesta rubrica foi escrito de acordo com a antiga ortografia portuguesa.

 

Texto: Maximina Girão Ribeiro

Fotos: pesquisa Google

01jun19

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.