Menu Fechar

Beringelas recheadas

Uma receita para toda a família, produzida com ingredientes muito simples e económicos.

Portugal foi o primeiro país ocidental a fazer uso culinário da beringela. Foram trazidas pelos  árabes, e há registo do seu cultivo em pomares levantinos e andaluzas na alta Idade Media.

Houve uma distinção honorífica denominada pelo povo Ordem de Beringela no princípio do século XIX. Foi criada durante o reinado espúrio de José Bonaparte (1768-1844). Para tornar possível o projeto urbanístico, que deu origem à Praça do Oriente, em Lisboa, D. José I mandou derrubar quarteirões de casas, travessas e becos, igrejas e palacetes. E para levar a cabo seus planos consultou com sua amante, a marquesa de Hilversum, cujo marido, consentidor e sofrido condecorou com o Grande Cordão da Ordem Real de Portugal, e como o cordão que pendia da distinção era roxo o povo chamou logo de Ordem de Beringela.

A beringela é um fruto carnudo da família das solanáceas que pode apresentar duas formas: alongada ou arredondada. Sua casca é arroxeada. Tem uma polpa branca e carnuda, dentro da qual se encontram algumas sementes suaves, não é preciso eliminá-las.

Nutrição e saúde 

Beringela é um dos legumes mais conhecidos em todo o mundo.   Além da beleza de sua cor roxa, contém muitas vitaminas.

A beringela é um alimento de baixo teor em proteínas.

É aconselhável consumir as beringelas com sua casca, onde se encontra boa parte de seus nutrientes que não são poucos. Ela é rica em potássio, cálcio, fósforo, e seu conteúdo tem vitaminas A, C, B1,B2,B3. K. Possui também uma boa quantidade de sais minerais, tais como, potássio, ferro cobre e magnésio.

É também uma importante fonte de betacarotenos e ácido fólico.

É pouco calórica, sendo que 100 gramas possuem apenas 20 calorias. Por este motivo, é uma excelente opção para quem quer eliminar peso.

É rica em fibras, por isso sacia e ajuda a combater a preguiça intestinal. Exerce um considerável efeito depurativo sobre o sangue: limpa, previne as hemorragias e protege as artérias lesionadas pelo colesterol.

Estudos recentes apontam que a beringela é um ótimo alimento, cujo consumo ajuda a reduzir o colesterol e reduzir a ação das gorduras do fígado. Possui propriedades laxantes e digestivas.

É muito utilizada na culinária (frita, cozida, grelhada, recheada e em saladas).

Existem 1001 receitas . Basta por a imaginação no ar e acontecem maravilhas. Aqui vai uma receita fácil, rápida de fazer e muito saudável

Grau de dificuldade       fácil

Custo                              económico

Tempo preparação        45 minutos

Tempo cozedura           25      “

Número de doses          04

Ingredientes

2 beringelas
1 cebola grande
5 dentes de alho
50ml de azeite
Quadradinhos de bacon fritos
1 raminho de coentro c/salsa
2 latas de cogumelos laminados
4 dl de molho bechamel (Já se vende preparado)
4 colheres de sopa de queijo mozzarella
Sal, pimenta

Preparação

Corte as beringelas ao meio, no sentido do comprimento, e retire-lhes a polpa, delicadamente. (Passe-as no interior com um pouco de sumo de limão para não oxidarem. Passe umas pedrinhas de sal.

Pique a polpa da beringela, assim como a cebola e os alhos. Refogue estes ingredientes no azeite juntamente com o bacon. Adicione as ervas e os cogumelos escorridos. Tempere de sal e pimenta.

Ligue o forno a 200º.

Passe por água as “barquinhas” e enxugue com papel absorvente. Coloque as beringelas no tabuleiro humedecido com água e azeite por 5 minutos.

Entretanto, misture o bechamel, envolva bem com o preparado anterior, retire o tabuleiro e preencha as metades das beringelas.

Meta no forno por mais 25 minutos.

Polvilhe com queijo e leve ao forno a gratinar. 5 minutos +/-

Deixe arrefecer cinco a dez minutos antes de servir para intensificar todos os sabores.

Pode ser consumido, quente ou frio.

Sirva a acompanhar uma boa salada de alface, rucula, cenoura, tomate cherry e algumas nozes ou amêndoas fatiadas.

Vinho

Este belíssimo cozinhado pode ser acompanhado de um vinho verde adamado da sub-região que se desenvolveu à volta da margem sul do rio Minho, zona de meia encosta. Os vinhos extremes da casta Alvarinho são o ex-libris da sub-região de Monção e Melgaço e acompanham muito bem este tipo de delícia.

Importante

A temperatura a que é servido o vinho verde tem uma função preponderante na percepção da sua qualidade. A temperatura recomendada para o consumo é: Vinho Verde Branco 8 a 12 °C;

Dicas úteis

Como escolher as beringelas?
Não as escolha demasiadamente grandes, pois têm mais sementes e não são tão boas. Também não compre as que estejam muito maduras Verifique se a casca está lisa e brilhante. O cabo da extremidade deve estar verde e com pontas coladas na casca isso assegura a frescura.

Cor: A violeta longa é a mais comum, pode ser usada em qualquer receita.

Já para guarda-las no frigorífico, use um saco plástico, elas podem durar de uma ou duas semanas, na gaveta baixa do frigorífico.

Saiba que copo usar para servir os diferentes vinhos:

Bom Apetite!

Viva o Verão!

 

Texto: Carmen Navarro

Fotos: Luís Navarro

Foto (Vinho): pesquisa Google

01jul19

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.