Menu Fechar

“206” – A LINHA “RAINHA DAS QUEIXAS”! PARA ATRASOS E SUPRESSÕES SEM QUALQUER AVISO… DIZEM QUE “NÃO HÁ MELHOR NA STCP!”

A linha “206” da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP), que liga Campanhã ao Viso e vice-versa, é, a avaliar pela reação constante dos passageiros, a que deve ter mais reclamações de toda a rede onde operam os autocarros da STCP.

Em boa verdade, e isso nós constatamos por diversas vezes – e até porque este assunto é recorrente no “Etc e Tal jornal” -, os atrasos e as supressões de carreiras nesta linha são uma constante, facto que tem levado muitas pessoas a manifestarem o seu desagrado e até revolta junto dos motoristas – ora, logo com quem nada tem a ver com as decisões tomadas quanto ao funcionamento da referida linha-, que, no imediato, é quem, para os passageiros, representa a empresa, mas também no Portal da Queixa da STCP.

Rua Dom João Coutinho, junto à Estação de Metro do Viso, numa das primeiras paragens do “206” rumo a Campanhã. Autocarro (como muitas das vezes) nem vê-lo… a cumprir horário

A verdade, é que o “206” é das poucas linhas (a par do 207 e 205) que liga, diretamente, a zona oriental à ocidental do Porto, com um total de 29 paragens, e passando por locais onde é mesmo o único meio de transporte público disponível, pois desde a Praça do Marquês até a Francos, não há alternativa de Metro, nem de outra linha que faça o seu trajeto.

E quando falamos em locais, referimo-nos a bairros sociais onde residem milhares de pessoas e até mesmo estabelecimentos de ensino, que têm no “206” o único meio de transporte com ligação à zona oriental e central da cidade…

“Rota” do 206

Campanhã Rua de Justino Teixeira; Pinto Bessa Rua Pinto Bessa; Piscina Campanhã406 Rua Pinto Bessa;Bonfim356 Rua do Bonfim; Campo 24 de Agosto; D. João IV234 Rua de Fernandes Tomás; Rua Firmeza Rua Dom João IV; Moreira; Escola Normal598 Rua da Alegria; Sto. Isidro; Esc. Aurélia Sousa961 Rua da Alegria; Marquês Rua da Constituição; Faria Guimarães Rua da Constituição, Porto Constituição; Vale Formoso; Silva Porto; Bica Velha Rua de São Dinis; Natária Rua da Natária; Carvalhido Rua da Prelada; Castelos Rua do Castelo da Feira; Maria Lamas Rua Teodoro de Sousa Maldonado; Prelada316 Rua Central de Francos; Urb. Prelada; Urb. Prelada II Rua Professor Antão de Almeida Garrett; Prelada; Ramalde do Meio; Julgado De Paz; Viso Rua Ferreira de Castro; Viso Rua Ferreira de Castro, Porto.

Referimo-nos ao percurso oriente-ocidente, e se referíssemos o inverso poucas seriam as alterações, a não ser a passagem pela Rua do Pombeiro, Rua de João Pedro Ribeiro, Latino Coelho, Praça Rainha Dona Amélia e Santos Pousada.

Mas, o problema, pelos vistos, não está na rota, está em cumpri-la de acordo com os horários estipulados, e são raras as vezes que isso acontece.

O repórter já esteve por diversas vezes à espera, ou no Viso ou em Campanhã, mais de 45 minutos por um “206”…

Podem referir que se quem vos escreve estava no Viso e se se dirigia para Campanhã, poderia deslocar-se de Metro. Verdade!

Mas, o repórter está – passe o pleonasmo – para reportar o que acontece com as outras pessoas, as tais que não vivem junto a qualquer estação de Metro, e não têm outro transporte público a não ser o “206” para se deslocarem.

Por isso, o repórter do “Etc e Tal jornal” foi no “206”, o que o fez, faz e fará por diversas vezes…

RECLAMAÇÕES

Mas, o que aconteceu com quem vos escreve e acabou de ser relatado, acontece, diariamente, com largas centenas de pessoas, uma delas, por exemplo o passageiro Sérgio Neves – comentário o qual resgatamos do portal da queixa da STCP -, que escreveu o seguinte:

“Todos os dias há falhas na linha 206. O autocarro das 11:53 não aparece, o das 12:14 não aparece e somos todos obrigados a esperar pelo das 12:34 que, no meu caso, faz com que chegue ao trabalho em cima da hora de entrada e isto se não houver nenhum constrangimento pelo caminho.
Como estou ciente destas constantes falhas, desloco-me para a paragem mais cedo mas mesmo assim, aguardo sempre bastante tempo, bem mais do que o desejado. A paragem em questão é a D. Amélia.
Não se admite que os horários não sejam cumpridos. Atrasos são compreensíveis, e logo em horários seguidos é totalmente inaceitável!”

A STCP respondeu da seguinte forma à reclamação do passageiro: “gostaríamos de salientar que a STCP dispõe de um sistema de monotorização permanente do serviço prestado nas linhas, no sentido de tentar colmatar ou minimizar, em tempo real, alguma anomalia operacional que se verifique.

Resta-nos manifestar a nossa vontade em contribuir para a melhoria do serviço prestado pela STCP e apresentar o nosso sentido pedido de desculpas…”

Não sabemos ao certo quantos pedidos de desculpas a STCP apresentou, nos últimos tempos, aos passageiros da “206, mas com os serviços de monotorização a funcionarem como se encontram a funcionar, não se sabe até que ponto o número de queixas vai tri ou quadruplicar nos próximos tempos, uma vez que os problemas não são colmatados nem minimizados… são constantes!

Terminal de Campanhã

Dia passado dia 23 de dezembro, antevéspera de Natal, mas nem por isso motivo para atrasos, os autocarros da linha 206, previstos para estarem em Campanhã, e de lá partirem, às 16h30, 16h53 e 17h10, pura e simplesmente não apareceram.

Sobre esta situação, nada chegou, à nossa redação, quanto a qualquer desvio de viaturas como forma de protesto; nem de rapto de motoristas ou roubo de autocarros.

Algo se passou que não foi explicado aos coitados de cerca de sete resistentes (quando o repórter chegou e quando passados algumas pessoas começaram a manifestar-se, eram mais de 10), que conseguiram chegar atrasados uma hora, aos locais para onde se dirigiam.

“ISTO É UMA FALTA DE RESPEITO”

(Des)esperando pelo 206

“Já estive – palavra de honra! – aqui, há dias, mais de um hora à espera do 206, aqui em Campanhã! Vou daqui para o Carvalhido e lá não há Metro, nem outro transporte que daqui, e só daqui, me leve até ao Carvalhido. A não ser de táxi, mas eu não tenho dinheiro para mordomias.

Estes atrasos, ou até o caso de nem aparecerem autocarros, acontecem muitas vezes. É uma falta de respeito! E não são só os atrasos, são os autocarros a desfazerem-se que colocam nesta linha. Olhe para os autocarros do 207 e compare com os do 206? Uns são do primeiro mundo, os outros – os do 206 – para aí do quarto mundo, sei lá!. Isto é uma forma de mandar a gente àquela parte…”

Palavras da dona Idalina, que, já com relativa idade, desesperava pelo “206” com uma saca “cheia de coisas” já que no dia a seguir era “véspera de Natal, e os netinhos não perdoam certas falhas”, riu-se.

Riu-se. mas a situação não era nada para risos, até porque, já de noite, e depois de terem passado não sei quantos “207” e “400” e… até “ZR” (linhas que têm paragem no mesmo local) eis que, ao longe surge, qual D. Sebastião, o famoso “206” cumprindo a Linha Rainha das Contestações.

“Já não era sem tempo”, desabafou a dona Idalina. “Uma hora depois da hora”, claro que não era sem tempo…

 

Texto e fotos: José Gonçalves

Foto de destaque: Pedro N. Silva (Arquivo EeTj)

01jan20

 

 

Partilhe:

1 Comment

  1. Anónimo

    Infelizmente é a realidade dessa linha!!! Não entendo qual a razão por que a STCP não resolve o problema ou pelo menos dar uma justificação aos utentes que repetidamente sofrem com estes constantes atrasos e suprimentos. “Água mole em pedra dura tanto dá até que fura”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.