Menu Fechar

VALONGO ATIVA O PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA E PROTEÇÃO CIVIL!

A Comissão Municipal de Proteção Civil ativou o Plano Municipal de Emergência e Proteção Civil de Valongo para permitir o adequado nível de prontidão e resposta de todos os agentes de Proteção Civil e entidades com especial dever de cooperação. Esta decisão surge na sequência da progressão da pandemia Covid-19 e foi tomada considerando a multiplicidade de ameaças e crescimento do número de infetados no concelho.

“Apelamos à responsabilidade de todos para travar esta pandemia. Estamos muito preocupados com a situação no Concelho de Valongo, que oficialmente tem o quinto maior número de infetados no país”, afirmou José Manuel Ribeiro, salientando que “a Câmara Municipal de Valongo está, desde a primeira hora, totalmente empenhada em garantir que todos cumpram as orientações das autoridades de saúde pública, numa missão que envolve a Proteção Civil, as juntas de freguesias, as corporações de Bombeiros Voluntários de Ermesinde e de Valongo, a GNR, a PSP, as IPSS e representantes de toda a comunidade”.

De acordo com o autarca, “dada a gravidade da situação no Concelho de Valongo, onde existem das maiores densidades populacionais na Área Metropolitana do Porto, a Câmara Municipal de Valongo tem em preparação um Centro de Colheitas COVID-19, montado em parceria com o Laboratório Germano de Sousa na EB 2.3 Vallis Longus em Valongo, que aguarda autorização por parte da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-N) para poder funcionar”.

MUNICÍPIO DISCORDA DAS CONCLUSÕES DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO DA “RECIVALONGO” E CONSIDERA “INCOMPREENSÍVEL” MANUTENÇÃO DAS LICENÇAS

O Município de Valongo discorda frontalmente das conclusões da Comissão de Acompanhamento da Recivalongo e exigiu à CCDR-N que a sua posição fique expressa na íntegra na ata da última reunião e não apenas remetida para anexo. Na referida reunião, o Município de Valongo considerou incompreensível que a Comissão de Acompanhamento conclua pela manutenção da licença ambiental e da licença de exploração da Recivalongo.

“As recomendações propostas pela Comissão de Acompanhamento nada mais são do que procedimentos normais e obrigatórios na exploração de um aterro, de acordo com as normas em vigor, o que demonstra que, até à constituição desta Comissão e durante vários anos, a Recivalongo não cumpria sequer os procedimentos mínimos a que está obrigada por força das licenças atribuídas pela APA e pela CCDRN, o que é inadmissível e coloca em causa as responsabilidades das entidades públicas com poder de fiscalização”, afirmo o presidente da Câmara Municipal de Valongo, José Manuel Ribeiro, questionando “qual o objetivo de uma Comissão de Acompanhamento que se limitou a ir ao local e a recomendar o que já é obrigatório”.

De acordo com o autarca, a atuação da comissão resumiu-se a uma série de atos de carater burocrático, através da solicitação de diversos relatórios à empresa, os quais foram sendo prontamente aceites sem serem questionados e sem qualquer validação por parte das autoridades competentes e a emitir um Relatório Final em menos de três meses desde o início das suas funções.

“As medidas tomadas em nada vieram melhorar a qualidade de vida dos sobradenses, pois os odores nauseabundos e os riscos associados à deposição ilegal de amianto mantêm-se. Tratando-se de um aterro de resíduos não perigosos que recebe matéria orgânica e amianto na mesma célula há vários anos, o que é ilegal e foi denunciado vários vezes, não é admissível que as conclusões da Comissão passem pela manutenção do funcionamento do aterro nas mesmas condições, até porque são desconhecidos os efeitos deste ato ilegal a médio e a longo prazo”, alerta José Manuel Ribeiro.

CÂMARA ENCERRA SERVIÇOS PRESENCIAIS E REFORÇA MEDIDAS PARA COMBATER A “COVID-19”

O presidente da Câmara Municipal de Valongo, José Manuel Ribeiro, decretou o encerramento dos serviços presenciais ao público, reforçou o atendimento digital e telefónico, e o encerramento de parque infantis, entre outras medidas de carácter excecional para conter a propagação da pandemia COVID-19, que constam no despacho em anexo.

José Manuel Ribeiro apela à população para ser responsável, permanecer em casa com serenidade, encarar como muito sério este risco e seguir todas as orientações das Autoridades.

A equipa do plano de contingência da Câmara Municipal de Valongo está a acompanhar em contínuo o evoluir da situação em articulação com as Autoridades de Saúde, para assegurar não só as medidas de contenção da doença no território, mas também para assegurar os serviços mínimos da Autarquia, designadamente o apoio social aos cidadãos mais vulneráveis.

Entretanto, fora já decretado o encerramento de todos os equipamentos desportivos e culturais do Município (piscinas, pavilhões, estádios, bibliotecas, museus, auditórios, etc.), bem como o adiamento ou cancelamento dos eventos programados para as próximas semanas, designadamente Mostra de Teatro Amador, Trilhos do Paleozóico, 1.º Portugal Internacional Montain Bike, Torneio Juvenil de Karaté de Valongo, Gala de Mérito Desportivo, OTL ESPECIAL@rte – Férias de Páscoa, Campos de Férias TOK’A MEXER VALONGO – PÁSCOA 2020 e a Vila Doce, entre outros.

 

Texto: Lúcia Pereira (CMV) / EeTj

Fotos: pesquisa Google

01abr20

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.