Menu Fechar

Cruzeiro 2013

 António D. Lima / Tribuna Livre

Programamos, como vem sendo hábito, mais um cruzeiro no paquete, “Portugal dos Aflitos”.Este cruzeiro é sempre organizado em cada novo ano que entra, para navegar, pelo menos, 365 dias. Tomam-se todas as precauções que estas viagens requerem. Pedimos informações ao IPMA (Instituto Português do Mar e Atmosfera) dos tempos e tempestades que se sejam previsíveis.Após ter adquirido estes dados, inserimos as (dês)coordenadas no GPS, preparamos tudo a bordo e marcamos o dia da partida.Assim, e sempre no dia 1 de Janeiro às 00,00 horas, damos o sinal que nos vamos fazer ao mar. Familiares e gente amiga aglomerava-se no cais, lançam fogo-de-artifício (como artificiais são os responsáveis deste navio) acenam com brancos lenços, desejando boa viagem e ventos de feição.

No diário de bordo, são registadas todas as correções feitas a desvios causados por força das correntes, descaimentos, ventos de través. Dos ventos de estibordo e de bombordo. Dos ciclones, dos tornados e interesses do comandante do paquete, dos segundos comandantes e, das sociedades que gerem todos os interesses financeiros deste “barco de cruzeiro”

O que foi anotado neste diário de bordo jamais será alterado, mesmo que seja por vontade do comandante e dos segundos comandantes, está gravado em disco rígido. O Paquete “Portugal dos Aflitos” é movido por uma força motriz de oito (8) milhões C.V. força. Acomoda mais de dois (2) milhões de passageiros, sendo estes, oriundos das grandes e médias castas. Do programa deste cruzeiro constou música clássica, nem outra poderia ser, embora nem todos entendam e gostem, e, não nascendo em berços de ouro, fica a certeza da fortuna criada, ter origem muito duvidosa, mas…legalizada.

tempestado - 01jan14

No cardápio de entretenimento consta o circo, era obrigatório, (pois não somos nós uns contorcionistas e equilibrista? Se assim não fosse como é que os magros ordenados e as míseras pensões chegam até ao fim do mês?) Mas…adiante. O circo tem a participação de vários artistas. Equilibristas, malabaristas. Ilusionistas, trogloditas, animais ferozes, os que comem tudo e não deixam nada, etc. Neste despudorado espetáculo, sobressaíram os palhaços com o nome artístico, Cavaquizito, Passoeizito e o Portatizito. Sempre que este trio atua deixa toda a assistência com muito riso, amarelo.

É normal que todos os fenómenos tempestuosos tenham origem no mar, alguns há que têm origem em terra, embora e também, possam vir do mar. Vulcões, terramotos, estes serão por ventura os mais frequentes.

– Os descaimentos são originados por força das correntes, neste caso, correntes de interesses das sociedades. Mudança de Ministros, secretários/as. As irrevogabilidades que se tornaram em revogabilidade.

– As fortes ventanias exercidas num dos bordos, neste caso do bordo de estibordo, faz com que o barco cambe para o lado contrário, fazendo com o paquete muda-se de rumo. Estes fortes ventos do bordo de Estibordo, trouxeram a ameaça de corte de salários, de pensões etc.

Com o passar dos dias o vento rodou e, começou a soprar no lado do bordo de bombordo, o paquete retomou o rumo anterior sendo aconselhado pelas autoridades de terra a manter os subsídios e os salários conforme estava programado a quando da partida.

tsunami -01jan14

Durante uns dias, o mau tempo amainou no que diz respeito a ventos, no entanto, a forte ondulação fazia-se sentir. Quando assim acontece, quer dizer que, mais cedo ou mais tarde, voltam a aparecer os ventos. Assim aconteceu.

– Os ventos ciclónicos chegaram, com eles vieram as manifestações que envolveram a zona de S. Bento. Voaram pedras, petardos, tentativas de derrube das barreiras, carga policial, agressões a repórteres, idosos e tudo quanto se mexe-se.

O comandante e os segundos comandantes tudo fizeram para manter o barco a navegar. Como a tripulação deste barco já estava farta de andar aos tombos nos convés e, a vomitar por força da ondulação, resolveram eles também mostrarem o seu desagrado manifestando-se nas galerias que ficam por cima do salão de baile. Interromperam inúmeras vezes a música tocada por esta grande orquestra e as danças. Claro que tanto os músicos, como os bailarinos e a mandante ficavam irritadiços

– Estes ventos ciclónicos deram origem a um tornado de elevada intensidade dando origem ao derrube das barreiras, vestiram-se os coletes salva-vidas, rodopiou com muita força em S. Bento chegando os comandos a temer o seu naufrágio. Mas à entrada da galeria o tornado perdeu a força e tornou-se inofensivo. Mas que assustou, lá isso assustou. Receiam os comandantes que o próximo tornado seja seguido por um tsunami.

Estamos muito próximos de chegar ao fim deste tormentoso cruzeiro. Oxalá que cheguemos a tempo de reparar um rombo que temos nos casco, abaixo da linha de água. O afundamento é uma realidade. É urgentíssimo chegar a tempo e muito antes que fechem os Estaleiros Navais de Viana do Castelo.

01-jan-14

 

O “Tribuna Livre” é o seu espaço. Aqui pode dizer de sua justiça, abordando, ao pormenor, assuntos que lhe sejam caros e de interesse geral. Sempre respeitando o Estatuto Editorial deste jornal, pode enviar para a nossa caixa de correio eletrónica (etcetaljornal.site@gmail.com) até ao dia vinte de cada mês, o seu artigo, escrito em Microsoft Word e acompanhado, se assim o entender, da sua fotografia, neste caso em formato JPG ou JPEG.

Contamos com a sua colaboração. Este é um Espaço de Liberdade responsável…

Partilhe:

1 Comment

  1. Maria Rosa (Porto)

    Tambem navego nesse “Portugal dos Aflitos. Mas, se fosse só eu… não é toda a prole. Tristeza esta. Gostei do seu artigo… caro senhor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.