Menu Fechar

Nuno Gomes Garcia e Nuno Amado no “À Palavra”

Para dar início a um novo ciclo das tertúlias “Á Palavra com” no Museu de Ovar, o primeiro escritor convidado foi Nuno Gomes Garcia, que na sessão do dia 18 de setembro introduziu uma participativa “aula” de história, permitindo assim uma abordagem sobre os tempos conturbados que se vivem no Mundo atual.

O animado debate moderado pelo escritor ovarense Carlos Nuno Granja, inevitavelmente influenciado pelo segundo livro do autor, “O Dia Em Que O Sol Se Apagou”. Obra finalista do Prémio Leya em 2014, que ficciona um cataclismo improvável para reescrever um período áureo da História de Portugal. Um romance que cruza fantasia com rigor histórico, como o próprio afirmou. Acabou por ditar o tema em que os participantes neste evento cultural se envolveram explorando as deixas do Historiador, arqueólogo e escritor Nuno Gomes Garcia, que admitiu, “isto está em polvorosa”.

a palavra 00

Admitindo não quer transformar o evento numa conversa ideológica, o escritor que neste seu livro procura responder a questões essenciais como: Irá o Sol regressar a Portugal? É a Europa o lugar certo para que Portugal continue a existir? Falou de quem foge das guerras e de quem as promove. Do envelhecimento da Europa e simultaneamente do aumento demográfico de continentes como Africa, que não beneficia do modo de vida consumista do mundo ocidental que promove desiquilibrios, que levam este autor a afirmar que, “vivemos o esgotamento deste modelo de modo de vida” e por isso conclui, “o mundo ocidental e os estadistas têm de mudar de paradigma”.

Para Nuno Gomes Garcia vive-se uma “falta de valores” bem patente no drama dos migrantes, querendo o escritor acreditar que é possível uma postura mais solidária, “tenho esperança na minha geração”, porque como realçou, “a identidade é enriquecida com o multiculturalismo”, lembrou mesmo os anos sessenta em que a França precisou dos portugueses. Espera-se assim na perspetiva do escritor que, “desta vaga de refugiados se crie uma Europa nova e rejuvenescida” sem ameaças de “islomofobia” que são “o medo do que não conhecemos”.

Nesta sessão “Á Conversa com” foi ainda despertado nos leitores presentes o interesse pelo seu primeiro livro editado em 2012, “O Soldado Sabino” que o autor abriu o apetite ao referir tratar-se “um homem amaldiçoado que viu a sua pacata existência transformar-se no dia em que o rei foi assassinado em Lisboa. Foi ainda desvendada a preparação do terceiro livro que deverá ter como titulo “Homem desmotivado”, que se passa num mundo em que as mulheres assumem o poder.

a palavra 01

Nascido em Matosinhos em 1978 Nuno Gomes Garcia estudou História e Arqueologia nas Faculdades de Letras do Porto e de Lisboa, centrando-se na História Medieval, do renascimento e da Expansão Europeia. Especialista em Arqueologia Urbana. É casado com uma cidadã lituana e tem dois filhos, vivendo alguns anos em Paris.

Nuno Amado e o Amor

Ainda em Setembro no dia 25 outro escritor veio a Ovar ao “À Palavra” para falar dos seus livros e da relação destes com a sua própria experiencia profissional como psicólogo clínico. Nuno Amado envolveu os presentes numa autêntica terapia do Amor, falando das suas obras que resultam das investigações que vem fazendo, como o mais recente livro “Manual de Felicidade para Neuróticos” ou “Diz-me a Verdade Sobre o Amôr” (seu primeiro livro).

Na área do romance, Nuno Amado, que em Portugal é pioneiro no estudo da Psicologia do Amor, falou também do seu livro “Moby Dick”, em que de forma fascinante escreve sobre um desgosto avassalador que leva um lisboeta a refugiar-se numa ilha dos Açores a pretexto de um velho sonho de ver baleias.

E enquanto espera pela chegada dos gigantes marinhos, adiantou o escritor, “ocupa os dias a tentar reencontrar-se e a escrever cartas para o seu melhor amigo, mas também para destinatários tão improváveis como o Instituto Nacional de Estatística”, acrescentando que este personagem foi “conseguindo assim vencer a solidão absoluta que impôs a si próprio” e descobrindo que “todos têm qualquer coisa a esconder e nada é exatamente o que parece”.

Nuno Amado, nasceu em Lisboa, licenciou-se em Psicologia Clínica e é doutorado em Psicologia de Desenvolvimento. Divide-se entre a prática clínica e o ensino.

Texto e fotos: José Lopes (*)

(*)Correspondente “Etc e Tal Jornal” em Ovar

 

15out15

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.