Menu Fechar

Aí está “As Crónicas Tugas – Tem de Ser”… mais um livro de Miguel Correia

Há apresentações de livros e apresentações de livros. Umas mais, outras menos formais. Depende, essencialmente, do autor e das caraterísticas da sua obra. Pois bem. Quando falamos de Miguel Correia, que por acaso (?!) é nosso colunista, rubricando “As Crónicas dos Tugas”, é natural – perfeitamente natural! – que a informalidade, a simpatia e o… humor (como não podia deixar de ser) marquem assinalável presença; na presença de amigos, leitores e demais convidados.

tugas-miguel-01

tugas-miguel-02

E foi nesse ambiente que, no pretérito 17 de dezembro, no Orfeão de Matosinhos, Miguel Correia apresentou o seu novo livro: “As Crónicas Tugas – Tem de Ser”.

Tinha mesmo de ser e foi… antes do Natal. O esforço da “Chiado Editora”, que chancela o livro, foi tal que a obra chegou aos escaparates primeiro que o Pai Natal. O livro está aí, como já esteve, por certo, em muitos natalícios sapatinhos.

tugas-miguel-03

Ladeado por José Matos (radialista da “Placard” e responsável pela introdução do livro) e António Cunha e Silva (Orfeão de Matosinhos), Miguel Correia viveu mais um dia de (literária) felicidade, uma vez que este trata-se do seu sexto livro, desta feita prefaciado pelo humorista Nuno Markl.

tugas-miguel-04

tugas-miguel-05

“Uma voz incomodada”

“Este é mais um livro do Miguel, que volta a agitar o panorama nacional. Ele tem um jeito especial para pôr os pontos nos “is”. Não é uma voz incómoda, mas uma voz incomodada”. Palavras de António Cunha e Silva que, no fundo, retratam o autor e as suas “Crónicas”.

José Matos, por seu turno, realçou o facto de que o autor “não é uma daquelas pessoas da literatura que tem todos os apoios. Tem de lutar por eles. As histórias que conta fazem parte de todos nós. Este livro é um pouco de nós, aliás, revejo-me em muitas das histórias. Penso que todos os nossos defeitos são aqui revelados”.

tugas-miguel-06

tugas-miguel-07

As Crónicas Tugas – Tem de ser” é, no fundo, um livro que “relata a vida dos portugueses, com uma visão focada nas suas trapalhadas#, diz o autor, que faz questão de frisar que o seu “humor não é brejeiro. É fácil fazer pouco de alguém. Não faço isso!”. Palavra do escritor.

Miguel Correia deu a “volta” a Portugal e leu algumas crónicas do seu livro, interrompidas (e bem) pela viola e voz do “resistente” Paulo Alexandre, para quem “o Miguel tem uma escrita muito especial”.

Como especial é a postura de Miguel Correia no complexo mundo dos livros, principalmente quando o livro é também, entre outras coisas, fruto de uma luta; de uma luta que, em seu entender, “valeu a pena!”. Tal como valerá a pena ler estas crónicas em livro, como as outras insertas neste jornal, em rubrica assinada pelo autor desta obra com cerca de três centenas de páginas que alegrarão, com certeza, o mais triste dos tugas. Está feito o convite.

 Texto: José Gonçalves

Fotos: Pedro N Silva

01jan17

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.