Menu Fechar

No Centenário da Batalha de La Lys

Maximina Girão Ribeiro

No dia 9 de Abril de 1918 teve lugar a fatídica batalha que se desenrolou no vale da ribeira de La Lys, sector de Ypres, na região da Flandres (Bélgica), durante a Primeira Guerra Mundial, ou seja, a denominada Grande Guerra que decorreu entre 1914 a 1918, entre a Alemanha e o Império Austro-Húngaro, contra a coligação de países de que faziam parte, entre outros, a Inglaterra, a França e Portugal.

batalha-de-la-lys

Comemora-se este ano o primeiro centenário deste acontecimento e recordamos aqui a participação do Corpo Expedicionário Português (CEP), neste conflito.

Vários motivos justificaram a entrada de Portugal na Primeira Guerra Mundial, nomeadamente a existência de colónias portuguesas, em África, muito cobiçadas pelos alemães por fazerem fronteira com territórios por eles ocupados.

Para além deste facto, também a nossa jovem República pretendia afirmar-se internacionalmente e, embora de início, Portugal não se tivesse envolvido directamente no conflito, após o apelo de Inglaterra para que Portugal  abandonasse a sua posição de neutralidade e se posicionasse ao lado deste país com quem mantinha a mais velha aliança  do mundo e dos países seus aliados,

Portugal enfrentou a necessidade de participar na guerra. Primeiro enviou tropas para Angola e Moçambique, a fim de defender estas suas colónias contra a presença ameaçadora da Alemanha, que atacava já no Sul de Angola e no Norte de Moçambique. Depois, só a partir de Janeiro de 1917 é que Portugal começou a enviar tropas, o recém-formado Corpo Expedicionário Português, para vários locais europeus, nomeadamente a Flandres (Bélgica) e a França.

images

Este Corpo Expedicionário Português era formado, maioritariamente, por homens recrutados em meios rurais, “preparados” de forma muito rápida, durante nove meses, nos quartéis de Tancos, “fenómeno” que ficou conhecido como o “milagre de Tancos”.

Na Flandres, os soldados portugueses foram colocados num terreno pantanoso onde se abriram as chamadas trincheiras, buracos ou valas, onde os militares se entrincheiravam à espera dos ataques das forças inimigas. Era uma guerra parada, para a qual não estavam minimamente preparados. Aliás, os défices da instrução recebida em Tancos foram notórios desde a instalação das tropas, “enterradas” nas trincheiras, onde a espera pelo ataque do poderosíssimo exército alemão criava, entre os nossos, uma progressiva ansiedade, um desgaste físico e, sobretudo, um mal-estar psicológico.

A par disto, as queixas eram muitas: a fome ou a comida diferente à qual não estavam habituados, o frio e a chuva (os rigores dos Invernos com temperaturas negativas), as doenças (sobretudo as pneumonias), a lama onde estavam mergulhados, os piolhos e as ratazanas, os gases químicos lançados pelos alemães, a transformação profunda das suas vidas fora do contexto familiar, a ausência de Portugal, a saudade…

Assim, estes homens sem escolarização, quase todos analfabetos, sentiam-se abandonados à sua sorte, quase explorados e esquecidos pelo seu próprio país, tão desmoralizados, que se registaram deserções, insubordinações  e até suicídios.

Trincheiras_La_Lys

A longa espera e a sobrevivência foram aspectos profundamente traumatizantes para as tropas portuguesas: dois anos, quase permanentemente, em trincheiras!

Foi na madrugada de 9 de Abril de 1918 que oito divisões alemãs (cerca de 100 mil homens e mais de mil peças de artilharia) avançaram sobre os 11 quilómetros, onde estavam estabelecidas as forças portuguesas (duas divisões e cerca de 20 mil homens). Na tentativa de abrir caminho para a França, os alemães avançaram no terreno e trucidaram as tropas portuguesas que foram praticamente aniquiladas pela desproporção numérica entre as duas forças militares e pela desigualdade de armamentos (qualidade e quantidade) – a esmagadora superioridade alemã, sobretudo a ofensiva da sua artilharia, abateu o CEP, embora seja de salientar a corajosa resistência portuguesa para atrasar o movimento alemão e dar possibilidade às forças aliadas para se organizarem.

A batalha de La Lys ficou marcada pela perda de milhares de homens entre mortos, feridos, desaparecidos e prisioneiros – uma derrota, segundo alguns autores, comparável ao desastre militar de Alcácer Quibir!

Este acontecimento deixou marcas profundas na sociedade da época e, até ao presente, ficou a memória destes combatentes e heróis a quem devemos continuar a honrar.

Obs: Por vontade da autora e, de acordo com o ponto 5 do Estatuto Editorial do “Etc eTal jornal”, o texto inserto nesta rubrica foi escrito de acordo com a antiga ortografia portuguesa.

Fotos: pesquisa Google

01abr18

 

 

 

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.