Menu Fechar

PAN – Porto quer respostas sociais a todos os idosos em situação de vulnerabilidade

O PAN – Pessoas-Animais-Natureza apresentou, em sede de Assembleia Municipal do Porto, uma recomendação que pretende dar respostas sociais alargadas e integradas a todas as pessoas idosas em situação de vulnerabilidade que residem no Porto, inclusivamente as que têm a seu cargo animais de companhia.

Desde o início da crise da Covid-19, cerca de 1300 pessoas idosas sem retaguarda familiar deram entrada em lares. No Porto, segundo a operação “Censos Sénior 2020” da GNR, são 857 as que vivem sozinhas, isoladas ou em situação de vulnerabilidade devido à sua condição física, psicológica ou outras que possam colocar em causa a sua segurança.

“A população idosa é um dos grupos sociais mais frágeis da nossa sociedade, num problema estrutural que, ao longo dos anos, não tem tido as respostas necessárias e eficazes que se exigem. Agora, no atual contexto que vivemos, estamos a assistir a um agudizar desta realidade e a uma maior exposição das fragilidades já existentes e o Porto não foge a esta realidade”, defende Bebiana Cunha, deputada municipal e deputada à Assembleia da República.

Atualmente, a autarquia tem um projeto que pretende ir ao encontro dos idosos em situação de isolamento e que vivem nos bairros municipais da cidade, mas o PAN alerta que esta solução não é suficiente e insta a Câmara Municipal do Porto a alargar a resposta a outras pessoas idosas, para além das residentes nos bairros municipais, que se possam também elas encontrar em situação de vulnerabilidade.

“Não nos podemos ainda esquecer que, para muitas destas pessoas, os animais de companhia são fundamentais para o seu próprio bem-estar, representando grande parte da sua motivação diária e conferindo-lhes rotinas essenciais mesmo para a sua saúde mental. Porém, seja pelas fragilidades da idade e/ou por motivos económicos, por vezes estas pessoas necessitam de um apoio extraordinário nos cuidados a prestar aos seus animais.” – alerta Bebiana Cunha.

O PAN pretende, por isso, que a autarquia sinalize as pessoas idosas que se encontrem sem rede de suporte familiar e que têm a seu cargo animais de companhia, com a finalidade de  garantir respostas de ação social integradas combatendo, por um lado, o seu isolamento e, por outro, as dificuldades muitas vezes sentidas relativamente ao suprimento das necessidades básicas dos animais de companhia – como os cuidados médico-veterinários, a higiene ou mesmo o passeio.

PAN QUER GARANTIR MANUTENÇÃO DO ALTO DOURO VINHATEIRO NA LISTA DO PATRIMÓNIO MUNDIAL

Porto, 15 de Fevereiro de 2021 – O Grupo Parlamentar do PAN – Pessoas-Animais-Natureza deu entrada de um projeto de resolução que insta o Governo a tomar diligências no sentido de assegurar que o Alto Douro Vinhateiro não seja retirado da lista do Património Mundial.

Esta iniciativa surge no seguimento das recentes notícias sobre a construção de um hotel – Douro Marina Hotel – nesta zona protegida, o que coloca em causa a manutenção do Alto Douro Vinhateiro na lista do Património Mundial.

De acordo com o estudo de impacto ambiental, a presença do hotel e do seu acesso nesta zona originará a diminuição da área de recarga do meio hídrico subterrâneo e vai levar a uma interferência no sentido natural do fluxo de água em direção ao rio.

Adicionalmente, a  manutenção dos espaços verdes da unidade hoteleira será feita com a aplicação de fertilizantes e produtos fitofarmacêuticos, suscetíveis de introduzir poluentes no meio hídrico subterrâneo.

“Estamos perante uma zona classificada como Património Mundial e como Monumento Nacional, protegida por um acordo internacional e por legislação nacional. O estudo de impacto ambiental classifica os impactos do hotel na paisagem classificada do Alto Douro Vinhateiro como “negativos, muito significativos, de magnitude forte, prováveis, permanentes, imediatos e locais”. No entanto, assistimos a uma indiferença por parte do poder político nesta matéria, o que facilita o desenvolvimento destes projetos ignorando por completo impactos ambientais significativos ao nível biodiversidade e que compromete os critérios de classificação do Alto Douro Vinhateiro como património mundial.” refere Bebiana Cunha, deputada à Assembleia da República, eleita pelo círculo do Porto.

PAN

 

01mar21

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.