Menu Fechar

Fonoteca Municipal do Porto promove, já neste mês de julho, conversas abertas ao público

Inaugurada em setembro de 2020, a Fonoteca Municipal do Porto (FMP) arranca com as primeiras atividades abertas ao público em julho, dando mais um passo no seu objetivo de relacionar o património musical com a cultura contemporânea, partindo do vasto arquivo fonográfico que dispõe.

A 4 de julho, o espaço – situado em Campanhã, no complexo dedicado à gravação e produção fonográfica Arda – acolherá assim “Passado e presente do vinil: Uma conversa com Paulo Vinhas e Leonor Losa”. Colocando na mesma mesa o editor Paulo Vinhas e a etnomusicóloga Leonor Losa, num diálogo que pretende debater as diferentes perspetivas relacionais com o objeto vinil, os convidados estabelecerão uma ponte entre o legado e o futuro da indústria discográfica através do significado deste formato histórico.

Segue-se, a 25 de julho, uma segunda conversa com Anselmo Canha e Paulo Lopes, membros da histórica banda portuense Repórter Estrábico. Com moderação de Armando Sousa, responsável pela programação e arquivo da FMP, a iniciativa “Disco pesado: Os Repórter Estrábico nos trinta anos de ‘Uno Dos’” surge, como o próprio nome indica na sequência da celebração do 30º aniversário do lançamento de “Uno Dos”, prometendo uma revisita ao álbum através do testemunho e memórias dos dois músicos convidados.

Limitadas à lotação do espaço, ambas as conversas têm acesso gratuito, com possibilidade de reserva de lugar (até dois por pessoa) através do email fonoteca@cm-porto.pt.

A partir de setembro, estão ainda previstas sessões de escuta ativa conduzidas por diferentes convidados que, partindo de um disco da coleção da Fonoteca, incentivarão a partilha de experiências pessoais e histórias musicais.

Dando continuidade à disponibilização regular de conteúdos online, até ao final do ano, a FMP lançará, também, entre outros, resenhas e percursos temáticos de música tradicional portuguesa numa colaboração com Teresa Campos do coletivo musical Sopa de Pedra, artigos sobre design de capas da autoria da investigadora Isabel Duarte e dois novos episódios da rubrica “Coleção à descoberta”, podcast em colaboração com o projeto Brandos Costumes, que integra a programação mensal da Fonoteca.

Espaço público de apreciação musical, a FMP é constituída pela coleção de discos de vinil da cidade que, além de disponibilizar um arquivo representativo de grande parte da produção discográfica em Portugal, apresenta também discos importados de artistas internacionais e obras de conteúdo não musical, como poesia ou discursos políticos, muitos dos quais representando edições raras.

À data contempla cerca de 35 mil fonogramas, na sua grande maioria provenientes de coleções doadas à Câmara Municipal do Porto pela Rádio Difusão Portuguesa e pela Rádio Renascença, estando no entanto aberta a doações de todos os interessados.

Aberta de terça a sábado, das 14 às 19 horas, a Fonoteca Municipal do Porto pode ser visitada mediante marcação prévia através do e-mail fonoteca@cm-porto.pt. Mais informações sobre o projeto, incluindo todas as entradas que contemplam a coleção, assim como artigos e podcasts podem ser consultados no website da Fonoteca Municipal.

 

Texto: Porto. / Etc e Tal jornal

Foto: Miguel Nogueira (Porto.-Arquivo)

 

01jul21

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.