Menu Fechar

A Bolsa ou a Vida…

Carmen Navarro

 

Será que a ambição do dinheiro pode levar a loucuras?… pelo menos faz perder a cabeça a muito boas pessoas.

Éramos todos humanos até que o dinheiro nos dividiu.

O dinheiro esse metal parece ser a coisa mais importante do mundo, e tornou-se a parte integrante da vida, tudo gira em volta dele, embora muitas pessoas digam que não, sei que a vida também gira na falta dele para sobreviver. O dinheiro é o lubrificante da vida, O dinheiro é um excelente servo, mas um mestre terrível, é uma poderosa arma que desmascara quem não tem caráter e revela a verdadeira personalidade de quem o possui em excesso, é como a fama, nem todos a sabem lidar com ela.

Dinheiro é tema complexo que tem muitas pontas para discussão, mas não vamos por aí… vamos ficar pela poesia que é uma forma de relaxar um pouco, muitas vezes deixamos a vida passar diante de nossos olhos, só porque estamos preocupados com coisas supérfluas e por vezes caras de super luxo, só para deslumbrar muitas pessoas que no fundo são aquelas que de nós não gostam, e quem também não são as nossas preferidas.

DINHEIRO

Quem quiser ter filhos que doire primeiro

A jarra onde, inteira, caiba alguma flor!

Ai dos que têm filhos, mas não têm herdeiro!

— Dinheiro! Dinheiro!

Ó canção de Amor!

 

As noivas sorriem, talvez, aos vinte anos.

Os amantes sonham… Sonho passageiro!

Música de estrelas: Ética de enganos;

Ilusões, perdidas depois dos vinte anos..

E logo outras nascem: Dinheiro! Dinheiro!

 

Teus pais, teus irmãos e tua mulher

Cercarão teu leito de herói derradeiro

(Ai de quem, ouvindo-os, nada lhes trouxer!)

E hão-de ali pedir-te o que o mundo quer:

— Dinheiro! Dinheiro!

 

Deixa-lhes os versos que um dia fizeste,

Amarrado ao lodo, porém verdadeiro.

E eles te dirão: — Pássaro celeste,

Morreste? Morrendo, que bem que fizeste!

 

Ó canção de amor!

Dinheiro! Dinheiro!

 

Pedro Homem de Mello
in “Os Amigos Infelizes”

 

Quando um dia partirmos nada levamos, quando nascemos nada trouxemos de supérfluo, trouxemos a vida e a felicidade aqueles que nos amam e mais nada…

O dinheiro dá um valor abstrato a tudo. O mesmo se passa com o valor dado ao trabalho, por vezes é medido em função do tempo, outras do conhecimento adquirido e tudo é medido por metais ditos preciosos, que por sua vez são adquiridos pela força e a energia humana e aqui gera-se uma troca como se fosse uma mercadoria.

É evidente que o dinheiro e a sua tirania são sempre bem aceites por todos, já para não falarmos daqueles que fazem “coleção” de dinheiro que por vezes foi obtido aparentemente sem trabalho que leva à usura e à exploração financeira.

Será que podemos viver sem dinheiro?… A questão é bastante utópica. O que vamos fazer quando o dinheiro desaparecer que é obtido com o trabalho. A Pandemia da Covid 19 já nos deu uma amostra do problema… É necessário olhar a vida e o dinheiro de outra maneira e obter outra forma de vida.

A POUPANÇA!

A vida nos ensina a poupar

Porque com a crise

Não há dinheiro para gastar

Poupa-se na água

Poupa-se na luz

Hoje em dia até na comida

Tem que se poupar

Feliz de quem tem

Um teto para se abrigar

Porque da maneira que isto segue

Ter casa e comida já é um luxo

Queixam- se ao Governo

Queixam-se ao povo

Mas não arranjam solução

Para que o pobre

Viva com dignidade

O Governo diz para poupar

A vida leva- nos a poupar

Feliz de quem tem

Dinheiro para gastar.

 

Catarina Alves

 

O dinheiro é um parasita muito especializado e cada vez mais exigente que retira a liberdade humana.

Obsessões mascaradas de necessidades que nos escravizam para que mais possamos consumir o que só serve para nos empobrecer em sensibilidade e humanismo…

O excesso de dinheiro para consumismo, está a levar-nos ao desequilibro ambiental.

O dinheiro é um fetiche por excelência, capaz de produzir desastres como os que infelizmente estamos assistir da destruição ambiental que anda de mãos dadas com a desigualdade social que cada vez alimenta mais o fenómeno da pobreza.

Os países ricos têm que refletir urgentemente e muito seriamente neste problema., pois tudo é fruto da mesma raiz, o dinheiro. A pobreza e o desequilibro ambiental são produzidas pelo sistema capitalista em que vivemos em que tudo é mercantilizado. Esta problemática ambiental começou-se a agravar ao longo do último século. Cada vez mais consumistas e mais dinheiro necessitamos, e esquecemo-nos que a Terra também é um ser vivo que necessita de mil cuidados para ser saudável. O saque dos recursos naturais globalizou-se. É necessário revermos que esta pegada que estamos a impor na Terra os responsáveis são os países ricos que têm uma pequena parte da população mundial.

E O DIA EM QUE O SOL NÃO NASCER?

E o dia em que o sol não nascer?

Que o mar se enfurecer…

E tudo que tinha vida morrer?

 

O que você vai fazer?

 

E quando o azul do céu desaparecer?

O solo apodrecer…

E tudo adoecer?

 

O que você vai fazer?

Para onde você vai correr?

Para Marte, Júpiter, Saturno ou Plutão?

 

O Planeta Terra é a tua única casa, amado ser…

E a tua verdadeira mãe (natureza) está a morrer…

Pela tua falta de respeito, consciência e compaixão…

 

Te peço então um momento de reflexão…

Não jogue seu lixo no chão!

 

Reduza, recicle, reutilize…

Pense, repense, reflita, respeite…

Preste mais atenção…

Mas não use a tua mente e sim o teu coração…

pois ele amado irmão, está sendo usado em vão!

 

Ainda é tempo de mudar…

Ainda é tempo de salvar os animais e natureza

que o amor só querem nos dar.

 

Mas a decisão é tua, amado ser…

Tua casa (Terra) e tua alma, amado ser…

Dependerão do que você escolher…

 

Rama

 

A Natureza grita e expressa-se no aquecimento da Terra, no degelo, chuvas desenfreadas, desordenados tufões que tudo levam, acumulo de lixo, os mares cheios de plástico, só pasmo e terror. Se os poderosos quiserem ainda vamos a tempo de tudo mudar…

CUIDE BEM DA NATUREZA

Hoje acordei cedo, contemplei mais uma vez a natureza.

A chuva fina chegava de mansinho.

O encanto e aroma matinal traziam um ar de reflexão.

Enquanto isso, o meio ambiente pedia socorro.

Era o homem construindo e destruindo a sua casa.

Poluição, fome e desperdício deixam o mundo frágil e degradado.

Dias mais quentes aquecem o “planeta água”.

Tenha um instante com a paz e a harmonia.

Reflita e preserve para uma consciência coletiva.

Ainda há tempo, cuide bem da natureza.

 

Gleidson Melo

 

Quando era muito jovenzinha, ouvia os adultos dizerem que o dinheiro era a coisa mais importante do mundo. Por outro lado o meu pai dizia muitas vezes que a nossa maior riqueza era tudo aquilo que podermos transportar dentro da cabeça. E tinha toda a razão… Ouvi muitas vezes também um ditado popular tradicional que dizia: – Saúde, Dinheiro, e Amor. E pensava: esta gente não pensa bem… O mais importante é o Amor!… Engano dos enganos, afinal todos tinham razão e o engano era meu, mas passados todos estes anos continuo a pensar que para mim o correto é:

Saúde, Amor e Dinheiro, só para o que é necessário…

 

 

Fotos: pesquisa Web

 

01out21

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.