Menu Fechar

Em 2030, a nova linha de alta velocidade vai unir Porto-Lisboa em uma hora e 15 minutos

Em 2030, Porto-Lisboa ficará ligado por uma nova linha de alta velocidade, prevendo-se um tempo de duração de viagem de 1h15. Um serviço direto e sem paragens. A construção está dividida em três fases, estando prevista a conclusão da primeira, o troço entre Porto e Soure, para 2028.

O projeto de alta velocidade, que inclui ainda uma ligação do Porto a Vigo, foi apresentado hoje (28set22), na Estação de Campanhã, na presença do primeiro-ministro, António Costa, do ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, e do presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, entre muitos outros autarcas da região e do país, para além de deputados da Assembleia da República e dirigentes da Infraestruturas de Portugal.

“Este é um grande dia. Finalmente vamos ver nascer aquilo que, para a minha geração, é uma esperança sempre adiada”, afirmou Rui Moreira. “Há muitos anos que se percebia que havia necessidade de fazer novos investimentos na ferrovia. Ao contrário, por exemplo, dos nossos vizinhos espanhóis adiamos sempre e por tempo as grandes decisões para o setor”, acrescentou.

O primeiro-ministro deixou a garantia de que o país tem, agora, condições financeiras para assumir o projeto da alta velocidade, “com tranquilidade e sem sobressaltos que o ponham em causa”.

“Os grandes projetos estruturantes, a rodovia, ferrovia e aeroportuária têm de ser objeto de grande consenso nacional, validados na Assembleia da República e ter, pelo menos, o apoio de dois terços”, assumiu António Costa, sublinhando que o projeto de alta velocidade reuniu uma “larguíssima maioria” na Assembleia da República.

“Estamos a deixar soluções para os que nos sucederem”, acrescentou, frisando haver condições para, nesta legislatura, as obras serem iniciadas e seguirem viagem. “Apesar dos tempos exigentes”, o futuro do país “não tem perdido o norte”, disse, destacando ainda que o projeto da alta velocidade “une e serve o país”, bem como “reforça a fachada atlântica”. Por outro lado, a ligação entre o Porto e Vigo será o “primeiro passo” para a integração da ferrovia portuguesa na rede ibérica de alta velocidade.

Já o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, falou em “mais um passo na revolução” em curso na ferrovia. “Não podemos adiar mais, nem hesitar mais, temos de acabar com o pára-arranca que tanto caracteriza a decisão política em Portugal”, disse. E acrescentou: “Temos de abandonar esse instinto tão nosso de achar que os objetivos são sempre demasiado ambiciosos para o nosso povo”.

PORTO-LISBOA EM TRÊS FASES

A nova linha de alta velocidade Porto-Lisboa, que pretende ligar as duas principais cidades do país em apenas uma hora e 15 minutos no serviço direto, não terá paragens e será construída em três fases, com via dupla e bitola ibérica.

A primeira fase, o troço entre Porto e Soure, prevista concluir até 2028, tem o tempo de percurso estimado de uma hora e 59 minutos. O segundo, entre Soure e Carregado, a concluir até 2030, deverá diminuir o tempo de percurso para uma hora e 19 minutos. A terceira fase, entre Carregado e Lisboa, será construída mais tarde e permitirá atingir a duração final de uma hora e 15 minutos de toda a ligação.

“Esta linha estará totalmente integrada com o resto da rede ferroviária nacional. As cidades [do Porto e de Lisboa] serão servidas nas estações centrais”, revelou Carlos Fernandes, do Conselho de Administração da Infraestruturas de Portugal (IP). Estão também previstas múltiplas ligações entre a linha de alta velocidade e o resto da rede ferroviária.

“Isto não será um eixo autónomo, um eixo independente, será um eixo totalmente integrado na rede ferroviária nacional”, referiu.

Em Campanhã, a estação ficará preparada para esta nova linha, bem como para ligações a Norte, incluindo Vigo, e uma ligação, a construir no futuro, ao aeroporto Francisco Sá Carneiro. Para além disso, será construída uma ponte sobre o rio Douro, com dois tabuleiros.

LIGAÇÃO MAIS RÁPIDA A VIGO

O projeto da linha do TGV prevê ainda uma ligação em alta velocidade do Porto a Valença, contando com um troço direto ao Aeroporto Francisco Sá Carneiro, em túnel, que também deverá estar pronto em 2030. Os estudos para esta ligação deverão arrancar no próximo ano para que depois possa ser feita a Avaliação de Impacto Ambiental pela APA. Uma viagem do aeroporto do Porto para Viana do Castelo vai durar aproximadamente o mesmo tempo do que do aeroporto para Vigo, já que esta será uma ligação TGV.

Todos estes projetos de alta velocidade estão incluídos num investimento global de 43 mil milhões de euros, a realizar até ao final da década na área dos transportes, sendo que 11 mil milhões serão investidos na ferrovia.

 

Texto: Paulo Alexandre Neves (Porto.) / Etc. e Tal

Fotos: Andreia Merca (Porto.)

 

28set22

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.