Menu Fechar

34.ª edição do FANTASPORTO está aí à porta!

2014. Edição 34 do Fantasporto. Ano de festa de 28 de fevereiro a 8 de março. Festa para o cinema. Festa para as artes. Da música, da literatura, passando pelas artes plásticas, pela fotografia, pela dança. Enfim, um Fórum Cultural que tem como centro, o tradicional “Fantas”, este ano destacando de novo o cinema europeu, mas não esquecendo as novas propostas vindas dos cinco cantos do Mundo.

Serão exibidos cerca de 200 novos filmes, inéditos em Portugal, de entre os quais se destacam também dez antestreias mundiais, diversas europeias, sendo naturalmente as outras nacionais. 30 países estarão representados no certame que selecionou produções extremamente recentes e que cruzam com os filmes mais marcantes no firmamento cinematográfico mundial de 2013. De entre os filmes selecionados surgem dezenas de nomes marcantes do cinema e que o “Fantas” vem dando a conhecer a Portugal e, em diversos casos à Europa, como vem acontecendo com o renovado cinema Oriental, o vindo da Oceânia, de África ou o Latino- Americano. Na próxima edição do nosso jornal daremos a conhecer mais pormenores acerca desta iniciativa.

Local: Rivoli Teatro Municipal

Data: De 28 de fev14 a 09 mar14

+ www.fantasporto.com

DaNçA

 “LAGO DOS CISNES” NO COLISEU DO PORTO

lago dos cisnes

Um dos bailados mais bonitos e famosos de Tchaikovsky volta a Portugal depois do êxito alcançado em anos anteriores. A “Euroconcert” apresenta este espetáculo cheio de romance da mão de bailarinos reconhecidos em todo o mundo. Esta obra clássica leva-nos, através de uma impressionante coreografia, a um inesquecível conto de fadas. A jovem rainha Odette é vítima do feitiço do terrível bruxo Von Rothbart, que a transforma em cisne e só lhe permite adotar uma forma humana durante a noite. O feitiço acaba quando um homem lhe jure amor eterno. Sigfrido apaixona-se por Odette, mas o malvado bruxo faz tudo o que está ao seu alcance para impedir este amor. Esta obra única é representada captando a essência, a beleza da história e a harmonia da música de Tchaikovsky. Há momentos nos quais, as bailarinas que estão á volta de Odette personificam autênticos cisnes e o espectador fica rendido ao encanto dos seus movimentos. Mais de 30 artistas em palco nesta maravilhosa versão da obra.

Local: Coliseu do Porto.

Data: 05jan14.

Horário: 18 horas.

Preço: De €20 a €35

Classificação: M/3

+ www.coliseudoporto.pt

ExPoSiÇõEs

“CONTEMPORÂNEA” DE FOTOGRAFIA PELO “PROJECTO SE7E” NO “D. DIOGO DE SOUSA”

sete cartaz - 01jan14

O “Projecto Se7e” é um projeto de fotografia contemporânea portuguesa, e vai desenrolar-se ao longo de três fases. O coletivo é composto por Se7e Fotógrafos: Daniel Lopes, João Fitas, José Manuel Barbosa, José Rocha, Luís Reina, Pereira Lopes e Rui Videira.
Cada um vai apresentar Se7e Fotografias de Se7e Temáticas diferentes –Fotojornalismo (vertente Espetáculo), Arquitetura, Nu, Retrato, Documental de Viagem, Street Photo, Natureza/Paisagem.

Numa primeira fase esta apresentação será feita em Se7e Países diferentes, dos quais o primeiro será na cidade de Paris, na “Maison de Portugal”, onde teremos, em março de 2014, como convidados especiais o trio de jazz – “Cicero Lee Trio”.

Local: Museu D. Diogo de Sousa – Rua dos Bombeiros Voluntários, Braga.

Horário:10h00 às 17h30 (terça a domingo).

De 14jan14 a 14fev14.

Inauguração: 18jan14 (15h00 

 

“PORTO NA MIRA” REUNE TRABALHOS EM COLETIVA

porto na mira - 01jan14

Mais de três dezenas de fotógrafos reuniram-se para partilhar o Porto nas suas múltiplas paisagens. Têm formações diversas, histórias de vida distintas, pertencem a diferentes gerações mas estão unidos pelo amor à cidade e pelo gosto em a fotografar.

Os seus trabalhos estão expostos na coletiva intitulada “Porto na Mira”, isto até ao dia 11 de janeiro, na “Mira Forum”.

Cada autor apresenta duas fotografias e o rol de artistas com assinatura reconhecida é o seguinte:

Acúrcio Moniz, Adelino Marques, Adelaide Araújo, Ana Pinto, Antonieta Monteiro, António Amen, António Gonçalves, António Moreira, Celso Rocha, Cláudia Fernandes, David Pinho, Estevão Lafuente, Fernando Cruz, Filipe Carneiro, Filipe Silva, Gabriela Gonçalves, Gil Maia, Hélder António, Jaime Silva, José Paulo Andrade, Lu Sequeira, Luísa Rodrigues, Maria Ribeiro, Manuela Matos Monteiro, Maurício Soares, Patrícia Vieira Campos, Pedro Ferreira, Salomé Carvalho, Sérgio Anunciação, Sérgio Pereira, Vítor Costa e Vitor Rocha.

Local: MIRA Forum, Rua de Miraflor, 153-155 (Porto)

Data: Até 11jan14

Horário: Terça a sábado: 15h00/19h00

JOSÉ DA CONCEIÇÃO DIOGO EXPÕE NO BONFIM

expo bonfim - 03jan14

O pintor José da Conceição Diogo vai expor os seus trabalhos, a partir do dia 06 de janeiro (data da inauguração da mostra, a partir das 21h30) até ao dia 12 do mesmo mês, no Salão Nobre da Junta de Freguesia do Bonfim.

José da Conceição Diogo, natural de Castanheira do Ribatejo (Vila Franca de Xira), foi criado, desde tenra idade, pela Casa do Gaiato (Paço de Sousa, Penafiel), e reside, desde 1971, no Porto. Sempre teve interesse pela pintura, iniciando a sua formação na Galeria Geraldes da Silva (Porto), em 2007, isto após a sua reforma e como forma de ocupar os seus tempos livres. Já expôs, entre outros locais, na Galeria “Dolce Vita” (Porto), Câmara Municipal de Paredes e Biblioteca Municipal de Penafiel.

Local: Junta de Freguesia do Bonfim (Salão Nobre), ao Campo de 24 de Agosto (Porto)

Data: Até 12jan14

Horário: De terça (07jan14) a sexta (10jan14): 08h30-12h30/13h30-17h30. Sábado e domingo (11 e 12jan14): 14h00-18h00.

AHLAM SHIBLI: “PHANTOM HOME”

phantom home

O trabalho fotográfico de Ahlam Shibli (Palestina, 1970) confronta-nos com situações de perda de um lar e a luta contra essa perda, mas também com as restrições e limitações que o conceito de lar impõe a grupos e a indivíduos vítimas de políticas repressoras da identidade. Dão-nos a ver os territórios palestinianos ocupados; soldados palestinianos que lutam no exército israelita; os monumentos que lembram conjuntamente os membros da Resistência francesa contra os nazis e os soldados franceses envolvidos nas guerras coloniais contra povos que reclamavam a sua própria independência; os corpos de lésbicas, homossexuais, bissexuais e transsexuais provenientes de sociedades africanas, asiáticas e do Próximo Oriente; e comunidades de crianças que crescem em orfanatos na Polónia.

Death, a mais recente série fotográfica de Ahlam Shibli, mostra o esforço da sociedade palestiniana para preservar a presença daqueles que perderam a vida a lutar contra a ocupação. A série centra-se na representação dos ausentes através de fotografias, cartazes, campas e grafitos, exibidos enquanto forma de resistência contra o regime ocupante.

A exposição inclui nove séries fotográficas produzidas por Ahlam Shibli durante a última década. Na sua maioria, as imagens são acompanhadas por textos e legendas escritos pela própria artista que situam cada fotografia num tempo e num local precisos e testemunham um processo de investigação que muitas vezes envolve longas conversas e um contacto prolongado com os sujeitos representados. Textos e fotografias formam uma unidade que inviabiliza a sua utilização noutro contexto que não o da política anticolonial que motiva a artista.

A exposição “Phantom Home” foi organizada e produzida pelo Museu de Arte Contemporânea de Serralves em colaboração com o Museu d’Art Contemporani de Barcelona (MACBA) e Jeu de Paume, Paris.

Local: Museu de Arte Contemporânea de Serralves (Porto)

Data: Até 09fev14

+ www.serralves.pt 

“HABITAR(S)”: MOSTRA DA “SERRALVES NA “ALMEIDA GARRETT”

habitars - 01jan14

O Museu de Arte Contemporânea de Serralves apresenta a exposição “Habitar(s)”, que ocupará o amplo espaço da Galeria da Biblioteca Municipal Almeida Garrett, localizada nos jardins do Palácio de Cristal, no Porto. A exposição apresenta obras da Coleção da Fundação de Serralves e obras da Coleção da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD) que se encontram em depósito em Serralves.

A mostra desenvolve-se em torno da ideia de habitar: habitar um espaço de estudo e de investigação, como documenta Augusto Alves da Silva nas fotografias da série ist, confrontar os objetos com a arquitetura que os alberga, como sugerem as esculturas de José Pedro Croft; ou refletir sobre um espaço alternativo para uma casa inspirando-se nos modelos japoneses, como faz Alicia Framis. Os tapetes flutuantes de Cristina Iglesias, por sua vez, tratam noções de tempo nos espaços que habitamos e remetem para arquiteturas ancestrais do sul, enquanto a aparente escultura minimal de João Onofre torna-se num palco de um evento efémero onde uma banda de death metal atua.

As obras apresentadas foram selecionadas de forma a estabelecer pontos de contacto e de diálogo entre artistas nacionais e internacionais que trabalham com meios como a escultura, a fotografia, a pintura, o desenho e o vídeo.

Os trabalhos são da autoria de Augusto Alves da Silva, Pedro Cabrita Reis, Pedro Calapez, Alberto Carneiro, Mauro Cerqueira, José Pedro Croft, Alicia Framis, Eberhard Havekost, Cristina Iglesias, João Onofre, Rui Toscano, Francisco Tropa.

Por ocasião da exposição será publicado um catálogo bilingue (português/inglês) com imagens de todas as obras acompanhadas de textos inéditos. Curadoria: Suzanne Cotter, João Silvério e Isabel Sousa Braga .

Local: Biblioteca Municipal Almeida Garrett, Porto, Portugal.

Horário:10h00 às 18h00 (terça a sábado). 14h00 às 18h00 (domingos). Encerra às segundas e feriados

Até: 23fev14

Preço: Entrada Gratuita

+; www.serralves.pt 

“GEISHAS” DE LEONOR ALVIM NA CASA-MUSEU GUERRA JUNQUEIRO

leonor alvim -cartaz - 01nov13

A Casa-Museu Guerra Junqueiro apresenta, a partir de 16 de novembro, a exposição “Geishas – Uma Tradição Milenar no Japão”, da artista plástica Leonor Alvim. A iniciativa é organizada pela Câmara Municipal do Porto e está integrada nas comemorações dos 470 Anos de Amizade entre o Japão e Portugal.

Leonor Alvim, uma artista que nasceu Porto, volta à sua terra de origem com uma instalação que se pauta pela orientação multidisciplinar, centrada no arquétipo da Geisha, e em torno da qual se reúnem a Música, as Artes Plásticas e a Poesia.

A artista elege essa figura essencial e icónica da história cultural japonesa como tema de oito painéis de tecido, elaborados a partir de retalhos de antigos quimonos adquiridos em Tóquio e Quioto. Fazem também parte deste projeto um conjunto de pequenos poemas da autoria da artista, que se inspiram na estrutura dos” Haikay” tradicionais do Japão.

A técnica escolhida para os painéis, panos “collage”, propõe a perceção dos tecidos como valor tátil e refletor de luz enquanto peças de arte, arrancando-os, por força dos seus valores de cor e desenho, da sua função de proteger o corpo humano, ou de mera peça de vestuário.

A escolha de um tema feminino para o projeto justifica-se e carateriza-se pela intenção de lançar pontes entre culturas diferentes e pelos valores de arte e imagem projetados pela Geisha, que ainda hoje influenciam a moda, arte e costumes, mesmo que longe do país do sol nascente.

A exposição é uma homenagem a Leonor Alvim, falecida em 2012, contando com a colaboração de um painel de profissionais, de várias áreas, que conviveram com a artista e que assim vão poder partilhar a sua obra com o público.

Participarão também músicos vindos, especialmente, do Brasil – António Celso Ribeiro (cravo), Janete Junqueira (voz feminina), Wilma Andery (cravo), Rui Alvim (clarinete) – que irão apresentar obras do compositor António Celso Ribeiro com interpretação ao vivo de oito “Haikay”, Oito Historietas de um Quimono Adormecido, e quatro peças solo para cravo extraídas de “11 Painéis de Palavras Soltas” que fazem parte do projeto “Cor, Som e Movimento”, da autoria da artista.

Local: Casa-Museu Guerra Junqueiro. Porto, Portugal.

Horário:10h00 às 17h30 (segunda a sábado). 14h00 às 17h30 (domingos). Encerra aos dias feriados

Até: 31jan14

+; www.cm-porto.pt

MúSiCa

GRANDE CONCERTO DE ANO NOVO PELA “STRAUSS FESTIVAL ORCHESTRA”

concerto ano novo

Inspirado no tradicional encontro musical que cada ano se celebra em Viena, volta a Portugal, o Grande Concerto de Ano Novo, após o êxito de edições anteriores, com uma atrativa seleção das melhores valsas, polcas e marchas de Strauss. A Strauss Festival Orchestra e o Strauss Festival Ballet Ensemble interpretam títulos tão conhecidos do músico austríaco, como Napoleão, Festa das Flores, Klipp Klapp, A Valsa do Imperador ou Champagne. Não faltará a valsa mais célebre de todas, o magnifico Danúbio Azul, nem a marcha Radetzky que, ao compasso das palmas do público, fecha a noite habitualmente.

Mais de quatro milhões de espectadores já assistiram e aclamaram a produção da Strauss Festival Orchestra por toda a Europa: no Musikverein de Viena, Concertgebouw de Amsterdão, na Philarmonie de Berlin, no Musikhalle de Hamburgo, no Auditorium Parco della Musica de Roma, no Gran Teatre del Liceu ou no Palau de la Musica de Barcelona, no Teatro Real e no Auditório Nacional de Música de Madrid, nos Coliseus de Lisboa e Porto etc.

O concerto constitui um dos momentos culminantes da temporada musical da Euroconcert, não só pelo extraordinário clima festivo que rodeia este espetacular programa, senão também pela enorme participação de um público que, ano após ano, atende com entusiasmo ao concerto para festejar a chegada do Ano Novo. Uma tradição a não perder!

Local: Coliseu do Porto

Data: 04jan14

Horário: 21h30

Preços: De €25,00 a € 40,00

+: www.coliseudoporto.pt

 JOSÉ CID DE REGRESSO AO PORTO

jose cid

Falar de José Cid é falar de um dos maiores talentos jamais revelados pela música portuguesa. Em qualquer parte do mundo, raríssimos são os artistas que conseguem estar no topo durante 40 anos, ele encontra-se neste grupo restrito por mérito próprio há muito reconhecido e retratado em largas dezenas de inesquecíveis e inspiradas canções, que vão do étnico, ao fado, ao “pop”, ao rock, ao popular e até ao jazz.
Esta versatilidade garantiu a José Cid um lugar muito especial no coração do público. Autor/compositor e intérprete de alguns dos maiores êxitos da música Nacional:” A Rosa Que Te Dei”, “Na Cabana Junto à Praia”, “20 Anos”,” Ontem, Hoje e Amanhã”, ”Cai Neve em Nova Iorque”, “A minha música” e os mais recentes “Mais um dia” e “Louco Amor” são apenas alguns dos temas que o público vai poder ouvir e cantar em uníssono com o cantor, naquele que não vai ser só um concerto mas sim uma grande festa.

José Cid, ontem, hoje e sempre…

Local: Coliseu do Porto

Data: 14fev14

Horário: 22h00

Preços: De €12,50 a € 25,00

+: www.coliseudoporto.pt

 

OBS: Nesta rubrica só se publicam as iniciativas que sejam endereçadas à nossa redação, até ao dia 25 de cada mês, isto através dos seguintes e-mail: etcetaljornal.site@gmail.com ou jgoncalves0@gmail.com

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.