Menu Fechar

ESTAÇÃO DA CP EM OVAR: FALTA DE SEGURANÇA A “OLHO NU”

Texto e fotos: José Lopes

O recente anúncio de obras para 2017 nomeadamente na Linha do Norte, entre Ovar e Vila Nova de Gaia, feito pelo ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, com vista à modernização deste troço de caminho-de-ferro que inexplicavelmente tem estado sem a devida atenção, ainda não consegue tranquilizar os utentes que diariamente partem ou chegam de comboio à Estação de Ovar.

Passageiros que são sujeitos a um cenário deprimente e inquietante, ao terem de observar, a “olho nu”, ali nos carris, muitas das travessas de madeira literalmente podres, refletindo sinais de falta de segurança nas linhas principais de circulação de trafego ferroviário de alta velocidade Porto-Lisboa, como são os comboios Alfa-Pendular que ali passam em várias horas do dia sem paragem nesta Estação.

estacao-ovar-01-nov16

A regular intervenção de equipas de manutenção que se viam a trabalhar ao longo da linha, como prática que caraterizava a Companhia dos Caminhos de Ferros entretanto desmembrada, há muito deixaram de serem vistas num troço da Linha do Norte tão carenciado de atenção ao nível de reparação e substituição de travessas podres que estão bem identificadas na área da Estação de Ovar, que não podem aliás ser ignoradas pelos responsáveis da empresa sobre a manutenção e preservação dos vários equipamentos e infraestruturas de circulação como são as linhas férreas e a garantia da sua segurança.

O estado terceiro-mundista em que se encontram as infraestruturas de circulação ferroviária que servem a cidade de Ovar, cuja reformulação da Estação continua adiada, sem perspetivas de vir a beneficiar dos anunciados investimentos do Governo, têm causado preocupações a utentes que não compreendem tanta inoperância e falta de respeito para com os passageiros do comboio, que cada vez mais têm consciência da falta de segurança não só das estruturas da linha, mas da própria área da Estação de Ovar, em que, como o exemplo dado por um utilizador deste meio de transporte, o risco de acidente por falta de segurança é ainda maior.

“O risco de acidente é muito, em especial para pessoas idosas de mobilidade reduzida ou para os que acompanhados de crianças tenham de percorrer 100 metros para apanhar a linha férrea no lado oposto à estação e fazer a travessia das linhas”, referindo-se aos casos em que, “os passageiros a pé e em circulação pela gare lado Oeste, pretendem alcançar a do lado oposto, são surpreendidos pela passagem de comboios a alta velocidade sem paragem, o que provoca uma forte deslocação de massa de ar, que tende puxar para a linha todas as pessoas que ali se encontram”.

estacao-ovar-02-nov16

Um alerta de quem não compreende que Ovar continue a ver adiadas obras de reconversão das condições da Estação da CP ao contrário de Estarreja ali mais a Sul ou da falta de obras “no troço de linha férrea de Ovar em que os carris estão suportados por travessas de madeira em estado podre, onde existe uma curva a exigir maior esforço à base de sustentação”, afirma este munícipe de Ovar. Um sentimento partilhado pelos ovarenses que não veem Ovar beneficiar das obras de renovação que a CP/Refer vinha justificando acontecer na Linha do Norte.

As obras na Linha do Norte que foram sendo adiadas nos últimos anos e que agora foram assumidas pelo atual Governo para 2017 como integradas num investimento ferroviário, no âmbito da Ferrovia 2020 e do Plano Estratégico de Transportes e Infraestruturas, não podem só por si justificar a continuação de um tal cenário de pontos de evidente risco que continua a manter-se até à altura em que a intervenção tenha finalmente inicio.

estacao-ovar-03-nov16

Um tal estado de degradação e de falta de segurança há muito exige respostas adequadas ao grau de fragilidade e de perigosidade que qualquer utente sente ao recorrer ao comboio na Estação de Ovar. Uma preocupação de quem depende diariamente do comboio, que não pode estar sujeita ao arranque ou bom ritmo de uma obra pública com a dimensão da que será exigida numa linha de intenso trafego ferroviário, para que o transporte de passageiros venha a ser muito mais fiável.

01dez16

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.