Menu Fechar

Uma nova paragem

Carla Ribeiro (*)

Uma nova noite de abraços, encontros e reencontros, em que há sempre um momento que nos marca de forma diferente.

Há um cunho de dor, de devastação, até de inoperância…

Partilho convosco o que senti, escrito ainda antes de conseguir repousar o meu corpo…

Uma nova paragem (3h48)

Uma nova paragem…

Por entre a neblina, irrompem três novos amigos, para alimentar.

Algo quente para aconchegar o corpo, mas as palavras foram para aquecer o coração, destas almas, que vivem aqui e acola, num qualquer recanto das nossas ruas…

Já não tínhamos cobertores, e rasgou-se-me a alma, ao ver aquela senhora a recostar-se, naquela pedra, fria e vazia.

Nem um simples cartão…

Mas na alma desta Mulher, palavras simples, e carregadas de calor.

O frio quebra-nos o rosto,

Nesta luta de não rolar uma lágrima,

Pois entre estes novos Amigos,

Estava um rosto tão familiar…

 

Cortam-se-me as palavras,

Que se sufocam na neblina,

Nesta dor tão Nua e Fria,

Ao olha-la, ali, naquela pedra tão fria…

E…

No rosto uma alegria contagiante,

Um sorriso rasgado, que lhe encobre a dor…

 

Uma nova paragem…

Há sempre um momento,

Que me rasga o Coração,

Com a mesma ferocidade,

De uma lança bem afiada,

Que no mar caça a sua presa…

Para estas pessoas não há frio nem calor,

Não há dia nem noite

Há penas, o simples e o belo, de cada momento,

Que agarram e vivem, em cada respirar,

Que se transpira no Ser e no Amar…

 

Uma nova paragem…

E por entre a neblina, ficam recostados num Mundo apenas deles,

Onde moram eles e a solidão,

Embalada na melodia da recordação,

Que lhes cala a solidão,

Que do peito irrompe, nas lágrimas de um rosto, marcado de escuridão…

Uma nova paragem…

Carla Ribeiro

2017.09.24 (03.48 Horas)

UMA NOVA PARAGEM_1

E são momentos assim que nos deixam o coração do tamanho de uma ervilha, e sedentos de mudança.

É Amar, sem saber Amar,

É sorrir, sem saber sorrir,

É ter dor sem sangramento,

Que nos mutila por dentro,

Nos rasga o ventre,

E teia no coração,

Uma dor,

Que não se sabe sentir…

Carla Ribeiro

2017.10.01

UMA NOVA PARAGEM_2

A todos sem igual,

Obrigada

Até breve com novos “sentir”, novos “amar”…

(*) Texto e fotos

01nov17

Partilhe:

9 Comments

  1. Antonio P O

    Carla amiga, esses seres humanos ficam ” recostados num mundo onde moram só eles e a solidão”, mas este quadro semi-vivo, quase patético, desumano de tanta solitude, ganha mais vida no momento de vossa passagem, pela vossa entrega de amor. Por quanto tempo mais isto permanecerá??? Mas será que a “pobreza é capaz de gerar riqueza” como já ouvi dizer….??? Razão da permanência desta situação de tantos dramas existenciais ??……
    Bem hajam por Vosso trabalho e partilha connosco, quão bela missão a Vossa….
    Bj António

  2. Anacleto

    Grato amiga Carla Ribeiro, por mais estas palavras, que nos fazem parar e sentir.
    Que nos permitas sempre sentir-te assim tão autentica.
    Bjos

  3. Antonio

    É destas realidades da vida que as pessoas que se passeiam pelas cidades não reparam, ou não querem reparar… cada ser tem as suas necessidades… e a maior parte das vezes basta uma simples palavra ou olhar para que essas necessidades sejam menores… muito bem descrito o que se passa nas noites das nossas cidades…
    bjnhs Carla.

  4. M H

    Maravilhoso minha amiga uma realidade com que todos os dias nos debatemos e cada vez mais difícil de resolver …Beijinhos de luz nesse teu roteiro pela cidade, amiga…<3

  5. sandra

    Amiga,foi com o teu Amor, que numa noite saí para a rua contigo e integrei a equipa daquela noite.
    Não há palavras que descrevam o que sentia a cada paragem, e a forma e Amor, com que nos recebiam, depois de ouvirem a tua voz e a tua contagiante gargalhada.
    Tens um projeto maravilhosos, do qual tenho o enorme prazer de fazer parte.
    Não sei Amar dessa tua forma bela e incondicional, tão pouco sentir como tu…
    Mas ao longo destas noite sei AMIGA, que tu és enorme, dás sem receber, esvazias o teu sentir, e deixas sempre o teu sorriso espalhado pelas noites da tua e nossa cidade.
    És um SER HUMANO maravilhoso e que com estas palavras tão simples, transmites o tanto que sentes e nos ajudas também a sentir.
    Que as nossas e as tuas palavras nos continuem a acompanhar nesta caminhada
    Obrigada a ti, por me teres ensinado a chorar.
    Muita força AMIGA e nunca te esqueças, que também tu , tens que ser verdadeiramente AMADA.
    Beijinhos e um imenso abraço que só tu me sabes dar
    Nós não te sabemos Amar.

  6. C B

    Deixas-me sem palavras…porque é difícil transmitir em palavras a grandiosidade do teu ser…
    Adoro a maneira como escreves…transmites é ÉS…um ser maravilhoso.
    Choro e fico triste plano realidade que transmites.
    Mas isto aqui só permite uma escolha “do boneco”.
    Namastê minha querida e linda AMIGA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.