Menu Fechar

Frederico Garcia Lorca

Carmen Navarro

 

Agora que abriram as fronteiras entre Portugal e a Espanha, vamos aproveitar para visitar as belas paisagens fronteiriças, que de um lado ou do outro são inesquecíveis, e tomar contato novamente, com a bela língua Castelhana e visitar Granada, onde nasceu Frederico García Lorca, no dia 5 de junho de 1898, mais propriamente em Fuente Vaqueros.

Considerado um dos grandes nomes da língua Castelhana.

Levou para sua poesia a paisagem e os costumes da terra natal. Foi um dos maiores representantes do teatro poético do século XX.

Foi também um incansável pesquisador da cultura do seu povo.

Acabado o curso na Escola Secundária. Em 1914, foi para a Universidade de Granada onde entrou no Curso de Direito, O seu interesse e vocação era a poesia, a música, pintura, e o teatro, mas por imposição da família teve que fazer Direito.

O seu primeiro livro foi patrocinado por seu pai, escrito em 1918, sobre Castela – “Impressões e Paisagens”. Obra que foi muito bem recebida pela crítica.

Em 1919 muda-se para Madrid e aí continua o Curso de Direito.

Em 1921 pública “ Livro de Poemas” já aí a crítica fica muito bem impressionada. Grande parte dos seus trabalhos são relativos à Andaluzia, era apaixonado pelo Flamenco, à Musica e ao Folclore regional, e escreve “Poemas do Canto Fundo”.

Surpresa

Morto ficou na rua
com um punhal no peito.
não o conhecia ninguém.
como tremia o farol
da rua!

Era de madrugada. Ninguém
pôde assomar-se a seus olhos
abertos ao duro ar.

Que morto ficou na rua,
que com um punhal no peito
e que não o conhecia ninguém.

Frederico Garcia Lorca

Um ano depois muda-se para Madrid, aí tornou-se Amigo de grandes referências culturais da época que estavam na vanguarda artística; A Geração de 27, espanhola, (Também conhecidos por surrealistas) da qual foi uma grande figura, os outros; Manuel de Falla, com quem colaborou, Rafael Alberti, Luís Buñuel, e Salvador Dalí, por quem nutriu grande amizade, Lorca foi um excelente Pintor

Nesta época, estamos 1925, Frederico Garcia Lorca, colaborou em várias revistas Literárias de Madrid, foi crítico literário brilhante, e sempre muito elegante nas suas apreciações. Apresentou diversos Recitais de Poesia.

“Romanceiro Gitano” foi para muitos considerado a sua maior obra poética. Assim em 1929, Frederico Garcia Lorca, entra no mundo dos maiores da poesia de Espanha.

Em 1929, parte para Nova Iorque, de lá visitou Cuba com uma bolsa concedida pela Universidade de Columbia. Período em que escreveu os poemas surrealistas, que só foram publicados depois da sua morte.

Gazel do Amor que Não se Deixa Ver

Somente por ouvir 
o sino da Vela 
pus em ti uma coroa de verbena.  

Granada era uma lua 
afogada entre as heras.  

Somente por ouvir 
o sino da Vela 
destrocei meu jardim de Cartagena.

Frederico Garcia Lorca

Em 1932 volta a Espanha, e cria o Grupo Universitário Teatral “ La Barraca” que se faz à estrada por espaços rurais, levando a todo os espanhóis, gratuitamente, os clássicos teatrais, como Cervantes e Lope de Veja, com uma leitura mais moderna.

Como dramaturgo escreve diversas obras:

“O Malefício da Mariposa” que foi a primeira, não foi muito bem aceite, aborda conflitos existenciais, no entanto, marcou a mudança da forma como se fazia, e como se via teatro na época.

O Auge de Lorca como dramaturgo foi reconhecido com a Trilogia rural, passadas na Andaluzia, formada por: ”Bodas de Sangue” 1933, “Yerma “ 1934 e “A Casa de Bernarda Alba” 1936. Obra dramática suprema. Ainda hoje, com encenação atual é um sucesso.

Gazel do Amor Imprevisto

O perfume ninguém compreendia 
da escura magnólia de teu ventre.  
Ninguém sabia que martirizavas 
entre os dentes um colibri de amor.  

Mil pequenos cavalos persas dormem 
na praça com luar de tua fronte,  
enquanto eu enlaçava quatro noites,  
inimiga da neve, a tua cinta. 

Entre gesso e jasmins, o teu olhar 
era um pálido ramo de sementes.  
Procurei para dar-te, no meu peito,  
as letras de marfim que dizem sempre,  

sempre, sempre; jardim em que agonizo, 
teu corpo fugitivo para sempre, 
teu sangue arterial em minha boca, 
tua boca já sem luz para esta morte. 

Frederico García Lorca

in “Divã do Tamarit”

A sensibilidade e o pensamento Hispânico, e principalmente a alma andaluza estão espelhados no Romanceiro Gitano.

A sua Paixão pela Andaluzia identifica-o com os mouros, e diversas outras etnias perseguidas ao longo da história. Ele próprio sentiu a discriminação como os espanhóis trataram a sua homoafectividade.

O “Romance Sonâmbulo” é um dos poemas mais conhecidos:

Verde que te quiero verde”

Verde que te quero verde.
Verde vento. Verdes ramas.
O barco vai sobre o mar
e o cavalo na montanha.
Com a sombra pela cintura
ela sonha na varanda,
verde carne, tranças verdes,
com olhos de fria prata.
Verde que te quero verde.
Por sob a lua gitana,
as coisas estão mirando-a
e ela não pode mirá-las.

Excerto do Poema Verde….

Muitos dos seus livros foram publicados com desenhos e partituras de sua autoria.

Em julho de 1936, Avesso á violência, alarmado pelas perseguições devido à sua condição, e pelo começo da Guerra Civil, Lorca deixou Madrid e partiu para Granada, no auge da sua carreira literária e aí cumpriu-se a sua premonição de uma morte fatal, que atravessa toda a sua obra, que se concretizou quando, numa noite, foi assassinado, fuzilado e atirado para um barranco de Viznar, na Serra Nevada, a poucos quilómetros de Granada, por nacionalistas, no dia 18 de Agosto de 1936, aos 38 anos. Quando foi preso por um deputado direitista que disse que ele era “mais perigoso com a caneta do que outros com um revolver” Sem julgamento, com um tiro na nuca, fuzilado de costas, aludindo ao fato da sua homossexualidade, Lorca foi uma das primeiras vítimas da Guerra Civil fascista Espanhola, que matou mais de 1 milhão de pessoas. Até hoje os seus restos mortais não foram encontrados.

O seu assassinato teve repercussão mundial, movimentos políticos denunciaram a sua morte como mártir da Liberdade

Calaram a sua caneta, mas a poesia ficou para a eternidade

A obra de Lorca continua viva, cheia de dor e poesia.
Muito fica por dizer…

 

Fotos: pesquisa Google

01jul20

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.