Menu Fechar

Deixaste na minha mão, esse frio…

Carla Ribeiro

 

 

Dois meses de ausência junto de vocês mas, acredito que perceberão os motivos.

Às vezes a vida troca-nos as voltas e mostra-nos novos caminhos, mesmo que de dor.

Ser cuidador, deve ser a tarefa mais difícil, dolorosa e ardilosa, que uma filha pode ter, quando percebe que nada mais pode fazer e sempre acha que falha em qualquer ponto desta árdua e dolorosa caminhada.

Um cuidador, uma filha, chorará sempre em silêncio a dor, mesmo que esboce um sorriso de Amor, que será sempre imutável desditosa no Amor.

Há um olhar em mim,

Que grita saudade,

Nesta serenidade de ser e sentir,

Neste turbilhão de palavras mudas,

Que dentro de mim gritam…

Juntos, reaprendemos a felicidade, um caminho belo de Amor e neste momento de tanta preocupação e saudade,

Há um colo meu que te acolhe e te procura,

Há um olhar meu triste e preocupado,

Há uma lágrima que corre no meu rosto, e não a consigo parar…

 

Deixaste na minha mão, esse frio…

 

Deixaste na minha mão

O frio da tua partida, que se mescla com o sabor ácido do sal, das lágrimas que me lavam o rosto.

Sinto na minha mão esse frio azedo que deixaste em mim, quando te toquei, para te sentir neste último momento da tua partida.

Sinto este gritar do meu peito, nesta despedida perdida, que te leva de nós.

Nasceste do pó, e hoje regressaste à terra como o pó da vida, para esse teu novo caminho de vida e luz.

Deixas em mim o Amor da tua existência, a vida que me deste todos estes anos. Partes,

Mas ficas para sempre guardado, no consciente sentido, de uma vida de Amor e de dor.

Deixaste, na minha mão, esse frio, do teu corpo indolente,

Que deixa de ser matéria, e passa a ser uma estrela.

Deixas na minha mão, esse frio

Que me rasga na dor, e me reconstroi…

Deixaste na minha mão,

Esse frio que não me gelou a alma,

Mas sangrou o coração.

Deixaste na minha mão, esse frio…

Carla Ribeiro

2020.07.10

 

Visto-me de cor, mas cá dentro, ainda sangro a dor…

Saudades meu Pai.

Amarte-ei sempre meu Pai…

8 semanas depois…

Impossível não recordar-te Pai, nesta estranha saudade que me corre no rosto…

Há uma luz que renasce a cada sorriso perdido…

Até já

Namasté

 

Foto: pesquisa Google

 

01set20

 

 

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.