Menu Fechar

Há mais 21 árvores classificadas de interesse público pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas

O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) reconheceu o interesse público de mais 21 árvores, situadas em quatro zonas da cidade do Porto. No lote que passa a gozar de proteção inclui-se o conjunto arbóreo do Jardim da Arca d’Água, composto por 12 exemplares da espécie Magnolia grandiflora, de nome comum magnólia-sempre-verde, e que é de gestão direta municipal.

“A proposta de classificação foi fundamentada no porte vigoroso dos vários exemplares que constituem a alameda e no seu carácter histórico e paisagístico, por fazer parte do projeto original do Jardim de Arca d’Água, da autoria de Monteiro da Costa. A alameda bordeja o arruamento central do jardim e enquadra o coreto, sendo o espaço intensamente usado pela população, para recreio, descanso ou simples contemplação”, destaca-se no despacho de classificação deste conjunto.

Adicionalmente, foi também reconhecido pelo ICNF o interesse público de quatro árvores situados no jardim do Palacete Burmester, em terreno adstrito à Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. A classificação abarca quatro exemplares: um castanheiro-da-índia, um cedro-do-himalaia, um tulipeiro-da-virgínia e um teixo.

Nas imediações, em concreto no arvoredo do Jardim Botânico do Porto, ficam sob proteção, nos termos do despacho do ICNF, um medronheiro-do-texas e três biscófias ou cedros-de-java. “São exemplares centenários com idade estimada entre 120 e 150 anos, sendo dos mais antigos das suas espécies no território nacional”, pode ler-se no despacho.

Uma canforeira existente no jardim da sede da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte completa o leque de espécies agora colocadas sob proteção. Também esta é “uma árvore centenária e está entre os exemplares da espécie Cinnamomum camphora mais antigos no território continental”, sublinha o ICNF.

Este conjunto de 21 árvores integrava o lote de exemplares identificados pela Câmara do Porto e propostos para classificação. Os requerimentos foram pedidos pela autarquia, em articulação com as entidades que são detentoras do património arbóreo. A proteção atribuída nesta semana implica a proibição de quaisquer intervenções que possam destruir ou danificar os exemplares arbóreos classificados.

 

Texto: Porto. / Etc e Tal jornal

Fotos: Filipa Brito (Porto.)

01mar21

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.