Menu Fechar

Investigadores do Porto criam t-shirts que conseguem produzir e armazenar energia

Um grupo de investigadores da Universidade do Porto desenvolveu um sólido gel com a capacidade de produzir e armazenar energia em têxteis. As t-shirts ainda não estão à venda, mas já estão a fazer sucesso junto de empresas e da comunidade científica.

Vestir t-shirts que produzem e armazenam energia? Sim, vai ser possível graças a uma equipa de investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP).

O segredo desta inovação que promete tornar a moda mais eficiente e amiga do ambiente consiste num polímero sólido gel que tem a característica única de produzir e armazenar energia em simultâneo. O trabalho multidisciplinar conta com uma equipa de investigadores do Instituto de Física dos Materiais Avançados, Nanotecnologia e Fotónica da U.Porto e do Laboratório Associado Química Verde – Requimte (LAQV-REQUIMTE).

Estas t-shirts vão usar um processo conhecido como termoforese, que permite transferir energia entre dois materiais aproveitando as diferenças de temperatura. Esta obtenção de energia até agora só era conhecida com aplicação em ambiente líquido. A vantagem deste sólido gel é a facilidade de aplicação e a possibilidade de ser utilizado em peças de roupa.

André Pereira, docente e investigador da FCUP, explica como vai funcionar o polímero gel: “Temos um eletrólito sólido gel e nesse eletrólito temos uma determinada concentração de iões. Com a promoção do gradiente de temperatura conseguimos fazer com que os iões se transportem da zona quente para a zona fria e vai gerar energia”, cita o Notícias U.Porto.

Já o armazenamento é promovido por elétrodos constituídos por nanomateriais. Estes elétrodos vão agarrar a energia e impedir que ela desapareça quando é produzida.

Além disso, estas novas t-shirts poderão ter várias aplicações no futuro, recorrendo a sensores de baixo consumo, que poderão ser usados, por exemplo, em aplicações médicas ou para medir dados como a pulsação ou o número de calorias, enviando-os posteriormente para o telemóvel.

“Estamos a direcionar este projeto para o fornecimento de energia a sensores que monitorizam sinais vitais. Estes sensores não consomem muita energia, e podem tirar partido da variação de temperatura entre pele e tecido e do facto de estarem em contacto com a pele”, esclarece a investigadora Clara Pereira, da FCUP e do LAQV-REQUIMTE, numa entrevista ao jornal Expresso.

O trabalho está a ser desenvolvido em conjunto com o Centro Tecnológico do Têxtil e Vestuário e com uma empresa de indústria têxtil. A ideia é incrementar um novo produto comercial. “Trabalhamos sempre tendo em atenção a componente comercial, usando métodos e componentes facilmente escaláveis”, conta André Pereira.

Esta tecnologia, também criada pela investigadora do IFIMUP, Ana Pires, e pelo estudante de doutoramento da FCUP, Rui Costa, já está em processo de patente a nível europeu e surgiu ainda descrita num artigo da revista “ACS Applied Electronics”.

 

Texto e imagem: Porto. / Etc e Tal jornal

 

01abr21

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.