Menu Fechar

Pandemia não travou aposta na promoção turística da cidade de Braga

Em 2020, o Município de Braga continuou com a aposta na promoção turística da Cidade a nível nacional e internacional, um trabalho viria a dar frutos já este ano com eleição da Cidade como melhor destino europeu em 2021.

Num ano em que os efeitos da pandemia se fizeram sentir de forma transversal em todas as áreas da sociedade e com o sector do turismo a sofrer impactos muitos significativos, a Divisão de Economia e Turismo da Autarquia Bracarense foi um importante aliado no apoio aos profissionais do sector, como demonstra o relatório anual de atividades desenvolvidas ao longo do ano transato.

No documento, é referido que Braga vinha a registar um crescimento turístico acima da média nacional, prevendo-se uma forte afirmação junto dos mercados emissores, como sendo um destino de eleição tanto no panorama nacional como internacional.

Os meses de Janeiro e Fevereiro faziam antever o melhor ano de sempre a nível da procura, devido ao planeamento e à previsão da realização de grandes eventos e congressos agendados nos diversos espaços multiculturais de Braga.

Contudo, 2020 foi um ano completamente atípico e, com o primeiro confinamento, o foco do Município centrou-se no apoio aos profissionais do sector, realizando uma constante estratégia de comunicação da informação sobre as linhas de apoio aos empresários, informando e esclarecendo como estes poderiam desenvolver a sua atividade com as restrições impostas.

Posteriormente, foi reformulada toda a estratégia de promoção de Braga como destino turístico sendo que a aposta se centrou num investimento junto do mercado interno e de proximidade como Espanha.

Atendimentos no Posto de Turismo registaram quebra de 77%

Nos últimos dez anos, os dados recolhidos no Posto de Turismo de Braga, tinham vindo a revelar uma assinalável tendência de crescimento, sempre com taxas médias acima dos 10%, contudo, em 2020, a pandemia de covid-19 encerrou praticamente todos os sectores e o turismo foi um dos mais afetados.

O início do ano teve uma afluência superior ao do ano anterior, o que antevia um 2020 extraordinário de afluência turística na cidade de Braga. Comparativamente ao ano de 2019, em 2020 registou-se uma quebra de cerca de 77% no número de turistas que acorreram aos serviços do Posto de Turismo. Esta descida fez-se notar em todo o país, tendo sido atenuada pela afluência do turismo interno nos meses de Verão.

No relatório é referido que nos meses de Janeiro e de Fevereiro o número de visitantes tinha aumentado 6% e 8%, respetivamente, meses em que a pandemia já estava a alastrar pela Europa. Em Março, declarado o Estado de Emergência, mesmo com os serviços a encerrarem, ainda foram realizados 6.748 atendimentos neste equipamento municipal. Posteriormente, nos primeiros meses de reabertura, o sector não recuperou, uma vez que as fronteiras estavam encerradas e, mesmo com o desconfinamento gradual, os níveis de confiança dos consumidores estavam em baixa.

Os meses de Julho e Agosto de 2020 atingiram resultados positivos tendo em conta as previsões mais pessimistas apontadas no início do segundo semestre. Com a reabertura das fronteiras e dos corredores aéreos, coincidindo com a vinda dos emigrantes e de franceses que habitualmente fazem férias em Portugal no mês de Agosto, somados aos habituais visitantes espanhóis, o cenário turístico para Braga parecia querer recuperar de novo durante os meses de Julho e Agosto, notando-se na Cidade uma retoma da procura de grupos organizados, nomeadamente originários de países como a França e a Polónia.

Após o mês de Setembro, o Pais voltou a uma nova fase de contenção e recolhimento e, a 15 de Outubro, em resposta à grave evolução da pandemia em Portugal, foram impostas novas restrições, que foram reforçadas em Novembro, limitando a circulação entre concelhos em determinados períodos, como aos fins-de-semana, período de eleição para deslocações em lazer. Nesse sentido, os últimos meses do ano registaram um acentuado decréscimo na procura dos destinos turísticos.

O mercado português foi o mais representativo no total do número de atendimentos no Posto de Turismo de Braga, com 42%. A seguir a este, verificou-se a mesma tendência de anos anteriores, ou seja, um maior número de atendimentos a visitantes espanhóis e franceses, com 25% e 12% respetivamente.

BRAGA INTEGRA REDE DSE CIDADES DA CAPITAL EUROPEIA DA ECONOMIA SOCIAL 2021

Sameiro Araújo

Braga é um dos municípios que integra a Rede de Cidades Portuguesas – Capital Europeia da Economia Social 2021, que foi formalizada no passado dia 29 de Março. A cerimónia de assinatura da Carta de Compromisso entre as cidades de Braga, Cascais, Coimbra, Sintra, Torres Vedras e a Cooperativa António Sérgio para a Economia Social, decorreu hoje no Palácio Nacional de Queluz, em Sintra, no âmbito da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia.

No âmbito da Capital Europeia da Economia Social (CEES) 2021, Braga tem já delineado um conjunto de iniciativas de relevância para o sector da Economia Social.

Formação sobre investimento de Impacto para o tecido empresarial local, a cooperação ibérica na promoção da Economia Social, a apresentação de boas práticas no âmbito da CEES 2021, o desenvolvimento do conceito de academia de empreendedorismo social para refugiados ou a criação da Rede de Cooperação Europeia entre cidades tituladas de CEES, são algumas das iniciativas que o Município de Braga irá desenvolver ao longo do presente ano.

Na cerimónia de apresentação da CEES 2021, a vice-presidente da Câmara Municipal de Braga, Sameiro Araújo, referiu que Braga tem contribuído significativamente para o reconhecimento da Economia Social, através do “reforço e do investimento nas organizações da Economia Social, no apoio financeiro e técnico, mas também ao nível conceptual com sucessivos investimentos na realização de estudos e documentos estratégicos”.

Na sua intervenção, a vice-presidente da Autarquia explicou que o Município “continua a expandir a sua base de conhecimento nesta área, através da participação em redes internacionais, enquanto aumenta a consciencialização sobre a contribuição das organizações de economia social para um crescimento inclusivo e sustentável do território”.

“O Município tem tido nas suas estratégias sociais, culturais, ambientais e de juventude iniciativas como os Laboratórios de Inovação de Braga, onde se insere o Human Power Hub – Centro de Inovação Social de Braga. Ou o Centro de Juventude de Braga, onde se trabalha de forma especial os Direitos Humanos e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e a própria estratégia Braga27, a nossa candidatura para Capital Europeia da Cultura no ano de 2027, dá especial atenção aos processos de inclusão, participação e governança democráticas”, afirmou Sameiro Araújo, durante a cerimónia presidida pela ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho.

Sameiro Araújo deu ainda conta dos quadros de intervenção do Fundo Social Europeu, através do financiamento a projetos CLDS 4G ou Programa Escolhas 8G, com forte impacto no Município de Braga, apontando ainda o esforço das Universidades presentes no Concelho em estudar o Impacto da Economia Social. Esta é a primeira vez que, a nível europeu, é criada uma rede nacional de cidades para CEES, um sector que tem muito contribuído para o desenvolvimento inclusivo e sustentável dos territórios.

Este ano coube a Portugal indicar a CEES, no âmbito da Presidência Portuguesa do Comité de Monitorização da Declaração do Luxemburgo, que integra 18 países da União Europeia. Após um processo de consultas, lançado pela Cooperativa António Sérgio para a Economia Social, por delegação do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, o modelo escolhido foi o de uma rede de cidades constituída por Braga, Cascais, Coimbra, Sintra e Torres Vedras. Esta rede deverá manter-se ativa além de 2021, com a possibilidade do seu alargamento a outros municípios portugueses.

COVID-19 – PLANO DE DESCONFINAMENTO NO CONTEXTO DO CONCELHO DE BRAGA

O Governo apresentou no dia 11 de Março o Plano de Desconfinamento para Portugal Continental. Tendo por base o Comunicado do Conselho de Ministros, o Município dá nota dos reflexos aplicáveis ao Universo Municipal do Plano de Desconfinamento progressivo.

Serviços e equipamentos municipais que estarão abertos ao público a partir de dia 5 de Abril:

  • Forum Arte Braga
  • gnration (somente os espaços expositivos);
  • Bilheteira do Theatro Circo;
  • Fonte do Ídolo;
  • Termas Romanas do Alto da Cividade;
  • Dómus da Escola Velha da Sé;
  • Loja da Juventude (com marcação prévia);
  • Bibioteca Lúcio Craveiro da Silva (apenas restrição de aceso às estantes).

Serviços e equipamentos municipais que estarão abertos ao público a partir de dia 19 de Abril:

  • Altice Forum Braga;
  • Theatro Circo;
  • gnration;
  • Centro Qualifica (somente o reinício do atendimento/sessões presenciais nas Escolas Parceiras, em regime pós-laboral).

Serviços e equipamentos municipais que estarão abertos ao público a partir de dia 30 de Abril:

  • Casa dos Crivos

Serviços e equipamentos municipais que se mantém sem data definida de abertura ao público:

  • Museu da Imagem;
  • Arquivo Municipal (atendimento por marcação prévia – 253616060 ou municipe@cm-braga.pt);
  • Centro Qualifica (atendimento por marcação prévia – 253273554 ou munbraga@centroqualifica.gov.pt).
  • Piscinas Municipais;
  • Estádio 1.º de Maio;
  • Campos desportivos das Camélias;
  • Campos de Ténis e Padel;
  • Pavilhões Municipais;
  • Aeródromo (apenas utilizado para situações de emergência);
  • Espaços Polidesportivos;
  • Torre de Menagem;
  • Edifício do Castelo.

Tal como até agora, o Mercado Municipal de Braga manter-se-á aberto e em funcionamento, as lojas exteriores do mercado funcionam com venda ao postigo. O Centro de Juventude manterá a sua atividade, também como já estava a acontecer.

No âmbito do programa ´Braga de Porta Aberta´, o Município irá permitir o alargamento extraordinário das esplanadas a partir do dia 5 de Abril, data em o Governo permitirá que as mesmas estejam abertas ao público com limite máximo de quatro pessoas.

A partir de 3 de Maio, o Município voltar a emitir licenças de recinto improvisado, ocupação de espaço público, entre outras, dependentes da prévia autorização da Direcção-Geral de Saúde.

Até ao término do Estado de Emergência, os serviços municipais continuarão a adotar as normas em vigor até ao momento, nomeadamente o teletrabalho, sempre que possível, dos colaboradores do Universo Municipal.

O Balcão Único do Município de Braga e os Espaços do Cidadão, instalados em diversas Juntas de Freguesia do Concelho manterão o atendimento ao público preferencialmente por via telefónica (253616060), ou por via eletrónica balcaounico.cm-braga.pt, sendo que o atendimento presencial carece de marcação prévia.

A BragaHabit mantém as regras de pré-agendamento, privilegiando os contactos por telefone e email: 253 268 666 / 253 208 667 / 253 208 669 e email info@bragahabit.pt.

Também os serviços de atendimento ao público da Agere funcionarão apenas por marcação prévia, que pode ser efectuada através do portal agendamentos.agere.pt ou através dos números 808205000 ou 253205000.

Todos os equipamentos e serviços acima mencionados continuarão a aplicar as regras de horários, lotação, distanciamento e obrigação de uso de equipamento de protecção individual definidas pela Direcção-Geral de Saúde. O Município de Braga apela à consciência cívica de todos os Bracarenses na defesa do seu bem-estar pessoal e de toda a comunidade.

MINISTRA DA COESÃO TERRITORIAL GARANTE “BRT” PARA BRAGA NO “PORTUGAL 2030”

Reconhecendo tratar-se de um projeto essencial para a mobilidade urbana sustentável no concelho de Braga e para toda a região, a Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, garantiu ontem, num debate tido com Ricardo Rio, na antena da TSF, que o projeto do BRT (Bus Rapid Transit) está já sinalizado como prioritário no próximo Quadro Comunitário PT 2030.

Para o autarca de Braga, Ricardo Rio, estas são “boas notícias”. Contudo, defende, este projeto “poderá e deverá arrancar num período temporal mais imediato, devendo constar desde já nas linhas de investimento previstas no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR)”.

Ricardo Rio dirigiu, entretanto, uma missiva ao primeiro-ministro, António Costa, defendendo a integração do projeto BRT não no quadro Comunitário PT 2030, mas no contexto dos projetos abrangidos pelo PRR, sendo este no entendimento do autarca de Braga o quadro financeiro mais adequado à implementação do BRT para Braga.

Na carta dirigida a António Costa pode ler-se que “importa reforçar a ideia do impacto transformador deste projeto ao nível da promoção de uma mobilidade urbana mais sustentável num dos centros urbanos mais dinâmicos do País, com capacidade de produzir efeitos muito relevantes na concretização das metas de descarbonização que o nosso País e a União Europeia perseguem, fortemente intrincadas nas orientações do PRR. Como antes referido, a inclusão do BRT de Braga no PRR, é, em si mesmo, um ato de promoção de um maior equilíbrio territorial no nosso País, desígnio que julgo ser também uma prioridade do Executivo a que preside”, defendeu Ricardo Rio.

Recorde-se que o BRT é um projeto cuja conclusão, mormente no que se pode designar como a 1ª fase da rede a implantar, tem todas as condições para ficar concluído num horizonte temporal de 3 anos, muito antes do prazo limite estabelecido para a concretização dos projetos do PRR.

Assim e atentas também as dificuldades que têm vindo a público de afetação de verbas do Plano de Recuperação e Resiliência a projetos que suscitam reservas às instâncias europeias, Ricardo Rio crê ser perfeitamente justificado que se assegure a inserção do projeto do BRT de Braga no quadro do PRR nacional, em detrimento da sua postergação para o novo quadro comunitário.

No debate, que juntou Ricardo Rio e Ana Abrunhosa, na antena da TSF e que tinha por objetivo de análise a aplicação dos fundos do PRR e da bazuca europeia e se os mesmos vão ou não contribuir para a coesão territorial em Portugal, Ricardo Rio foi perentório na defesa da implementação do BRT – Bus Rapid Transit para Braga como exemplo da boa aplicação destes fundos de forma equitativa e equilibrada no contexto nacional.

A implementação do BRT tem um custo estimado de 150 milhões de euros, que incluem os estudos e fiscalização, as obras de inserção urbana, veículos, sistemas de bilhética e centro de controlo. Trata-se de um projeto que elevará a cidade de Braga para um patamar superior de sustentabilidade e qualidade de vida. Este será um projeto essencial para o esforço coletivo de alcançar as metas europeias para a neutralidade carbónica.

Ricardo Rio vai mais longe e assume claramente que este deve ser um dos projetos essenciais a implementar no contexto da mobilidade sustentável no País, pois dele dependem um conjunto de investimentos estruturantes e destes a vitalidade económica e social de diferentes território

Ana Abrunhosa, assumiu a pertinência de um olhar equitativo para o território nacional, defendendo que deverão ser encontradas ferramentas para a implementação do PRR no território e que isso não se pode fazer sem os autarcas e sem as autarquias.

Texto: Ricardo Gomes (Gabinete de Comunicação CM Braga)

MUNICÍPIO SORTEIA LUGARES DE FARTURAS COM ISENÇÃO DE PAGAMENTO DE TAXAS

O Município de Braga irá disponibilizar cinco lugares de venda ambulante, exclusivamente de farturas, durante o período compreendido entre 26 de Março de e 26 de Abril de 2021, isentos da taxa de ocupação de espaço público.

Os lugares serão atribuídos através de sorteio a realizar no Salão Nobre dos Paços do Concelho, sito na Praça do Município, na próxima Quinta-feira, 25 de Março, pelas 10h00. Na atribuição dos lugares será dada prioridade a quem tenha obtido licença para venda ambulante de farturas, pelo menos, num dos últimos três anos.

O Município de Braga pretende, assim, contribuir para a recuperação de um sector que tem vindo a ser duramente afetado pelo cancelamento sucessivo de festividades e pela impossibilidade de realizarem o seu trabalho.

Com esta medida, a Autarquia “procura ajudar a estabelecer um equilíbrio rigoroso e ponderado entre a salvaguarda da saúde pública e, dentro do possível, da atividade económica e da vida de muitas famílias que vivem deste negócio para subsistir”, como refere o vereador João Rodrigues.

“O Município de Braga tem procurado estimular a recuperação de vários sectores económicos e sociais e, mesmo que não tenhamos a mesma capacidade do Estado Central para responder a todos os anseios destes sectores, temos a obrigação, enquanto Autarquia, de procurar ir ao encontro das necessidades de todos os agentes que participam no quotidiano da cidade, dentro daquilo que nos é possível fazer”, acrescenta.

Os vendedores itinerantes cuja atividade seja permitida são responsáveis por assegurar o cumprimento das regras de segurança e higiene e das regras de atendimento prioritário previstas no Decreto n.º 2 -B/2020, de 02 de Abril, ou outro diploma que venha a regulamentar o Estado de Emergência decretado pelo Presidente da República.

BRAGA ACOLHE CENTRO DE OPERAÇÕES REGIONAL DO “CENSOS 2021”

 O Instituto Nacional de Estatística, I.P. (INE) iniciou, recentemente, a Sessão Informativa dos Coordenadores de Freguesias para esta operação censitária de recenseamento da população e da habitação, num processo que começou a ser preparado em Dezembro do ano transato, com o Município de Braga a empregar todos os esforços para que a operação dos Censos 2021 decorra com todo o profissionalismo, segurança e eficiência.

Os trabalhos iniciaram com a reunião entre a Autarquia Bracarense e responsáveis do INE a 21 de Dezembro, seguindo-se uma reunião por videoconferência com todos os presidentes de Junta de Freguesia do Concelho a 4 de Fevereiro, posteriormente, os trabalhos passaram a ser estruturados com todos os coordenadores e subcoordenadores de Freguesia.

A preparação da operação censitária decorre em estreita colaboração com as autarquias locais e, no Concelho de Braga, o apoio do Município e da InvestBraga possibilitou a instalação do Centro de Operações Regional no Altice Forum Braga, numa estrutura que permite cumprir, com rigor, as normas de segurança sanitária estabelecidas no Protocolo de segurança de Saúde Pública celebrado entre o INE a Direcção-Geral da Saúde (DGS) para esta operação Censos 2021.

Até ao final de Março passaram pelo Altice Forum Braga cerca 250 de pessoas, entre Coordenadores de Freguesia e Recenseadores em contexto de formação. A partir de 5 de Abril começa o trabalho no terreno que passa pelo reconhecimento da área de trabalho e distribuição dos códigos livres nas caixas de correio de todos os alojamentos, por parte de recenseadores devidamente credenciados.

São estes códigos que vão permitir aos cidadãos responder, de forma autónoma aos Censos, através da internet, ajudando a traçar o retrato atualizado da população e da habitação em Portugal.

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS APRESENTAM PROJETO DO NOVO QUARTEL

No dia em que a Associação Humanitária e Beneficente dos Bombeiros Voluntários comemora os seus 144 anos de existência, decorreu a apresentação do projeto para o novo quartel da instituição, que ficará localizado na freguesia de Arcos S. Paio. A apresentação esteve a cargo de Carvalho Araújo, arquiteto responsável pelo projeto.

Segundo Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, o novo quartel é, mais do que uma ambição, uma ´necessidade premente´ para dotar todos os que servem os Bombeiros Voluntários de Braga (BVB) de muito melhores condições para executarem as suas funções.

“Desde o primeiro momento que o Município se disponibilizou a dar todo o apoio possível a este projeto. Para lá da doação do terreno, já consumada em Executivos anteriores, do apoio financeiro de 100 mil euros e da isenção de todas as taxas municipais, acompanhamos com proximidade as diligências necessárias para tornar o projeto viável, desde a aprovação das entidades competentes à qualificação dos solos”, afirmou, assegurando que a tramitação urbanística do processo que agora se segue nos serviços municipais terá ´via verde´ devido à importância do novo quartel para toda a comunidade.

O Edil deixou ainda uma palavra de reconhecimento pela forma como a instituição tem contribuído para a segurança dos Bracarenses durante tantas gerações, tendo inclusivamente esse contributo sido já reconhecido com a atribuição da medalha de honra da cidade à instituição. “Parabéns pelos 144 anos de serviço e enorme dedicação à comunidade. Os BVB são um aliado fundamental do município, dentro das suas responsabilidades na área da proteção civil, e estamos sempre disponíveis para renovar e fortalecer os laços que nos unem”, referiu.

BRAGA INTEGRA REDE EUROPEIA INOVADORA PARA OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 

Braga foi a Cidade portuguesa selecionada no novo projeto SDG in Cities do programa Urbact. O projecto terá início no próximo mês de Abril e irá concretizar-se até ao final de 2022. Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, considera que “esta escolha é mais um sinal que o trabalho que Braga está a fazer na área da sustentabilidade está a ser reconhecido internacionalmente”.

Braga foi uma das duas Cidades portuguesas selecionadas pela Rede Urbact para concorrer à integração nesta rede-piloto para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da agenda 2030 das Nações Unidas, tendo sido a escolhida para representar Portugal nesta rede. “Esperamos poder partilhar as experiências efetuadas para atingir os ODS e aprender com os nossos parceiros europeus ao longo dos próximos dois anos”, referiu o Autarca.

O principal objetivo deste projeto inovador é que as Cidades selecionadas troquem experiências, aprendam com pares europeus e internacionais, desenvolvam capacidades para o processo de localização dos ODS nos seus territórios e desenvolvam ferramentas para os localizar. Todas essas atividades visam melhorar a maneira como as Cidades abordam os ODS localmente. A rede visa também fortalecer as sinergias entre URBACT, o Conselho Europeu dos Municípios e Regiões (CEMR), a União Europeia e outras organizações internacionais na busca dos mesmos objetivos.

Ao longo de 15 anos, o programa URBACT tem sido o programa de Cooperação Territorial Europeia com o objetivo de promover o desenvolvimento urbano integrado e sustentável em Cidades de toda a Europa. É um instrumento da Política de Coesão, cofinanciado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, pelos Estados-Membros, pela Noruega e pela Suíça. O fundo disponível para o projeto atinge os 1,724,310.00€, financiados na sua totalidade pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, um instrumento financeiro da Comissão Europeia cuja finalidade é apoiar o desenvolvimento económico das regiões da União Europeia.

PROJETO “CUIDAR BRAGA” TRITUROU 106,20 TONELADAS DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS E FLORESTAIS

O Município de Braga, através do projeto Cuidar Braga, disponibiliza gratuitamente a utilização de bio trituradores para a eliminação de sobrantes agrícolas, florestais e de jardinagem. Este equipamento tritura os sobrantes, reduzindo-os a estilha, podendo posteriormente ser espalhada pelo terreno ou reaproveitada em compostagem, cobrimento do solo ou outras utilizações agrícolas ou de jardinagem.

Desde o início deste projeto foram já realizadas 53 triturações, respondendo a solicitações efetuadas pelos munícipes ou entidades de 19 Freguesias do Concelho. O serviço de utilização do Bio triturador perfez até ao momento um total de cerca de 177 horas de trabalho e cerca de 106,20 toneladas de resíduos agrícolas e florestais triturados. Com este serviço estima-se que tenha sido evitada a emissão de cerca de 167,80 kg de C02.

O uso do fogo encontra-se associado a várias práticas agrícolas e florestais. No entanto, são vários os casos em que estas atividades se descontrolam e originam grandes incêndios com graves consequências ecológicas e socioeconómicas. Urge promover uma alteração de comportamentos na sociedade de modo a que a eliminação de sobrantes agrícolas e florestais seja realizada com menor utilização do fogo, utilizando outras técnicas, nomeadamente a trituração (destroçamento) dos sobrantes.

Proteção de pessoas e bens começa na gestão dos combustíveis 

A proteção de pessoas e bens dos incêndios rurais começa na gestão dos combustíveis, tendo o Município, no último ano, analisado um total de 347 processos de praticamente todas as freguesias do Concelho, dos quais 143 são enquadráveis no âmbito do decreto-lei nº 124/2006, de 28 de Junho na sua redação atual. Grande parte dos proprietários dos terrenos, após um primeiro contacto por parte do Município, procederam à execução da faixa de gestão de combustível de 50m em torno das edificações. Os restantes proprietários foram notificados a promover a execução das faixas de gestão e em caso de reiterado incumprimento procede-se à execução coerciva.

Conjugadas todas as ações de gestão de combustíveis realizadas por particulares, o Município e outras entidades públicas, foram executados cerca de 80 ha de Faixas de Gestão de Combustível.

No reforço da resiliência do território municipal aos incêndios rurais, a gestão e manutenção das infraestruturas de Defesa da Floresta Contra Incêndios assumem um papel crucial, tendo em 2020 sido beneficiados 39 caminhos florestais, totalizando 46 619,6 Km de extensão. Este ano serão realizadas as operações de manutenção destes 39 caminhos e a beneficiação de 2 novos caminhos que passarão a incorporar a lista de caminhos de manutenção anual. No que respeita ao apoio aos meios aéreos de combate a incêndios rurais foram beneficiados 3 Pontos de água.

MUNICÍPIO E “INVESTBRAGA” LANÇAM PROGRAMA DE ESTIMULO AO EMPREENDEDORISMO

 O Município de Braga e a InvestBraga vão lançar um programa de pré-aceleração de ideias de negócio. Com o ‘Empreender@Braga’, a Autarquia e a Agência de Dinamização Económica do concelho querem estimular o empreendedorismo junto dos cidadãos, desempregados e/ou pessoas que pretendam criar o seu próprio negócio.

O regulamento do ‘Empreender@Braga’, que será votado esta Segunda-feira, 8 de Março, em sede de Reunião do Executivo, prevê a validação de ideias de negócio e a capacitação dos empreendedores através de um programa de quatro semanas, composto por workshops, mentoria e trabalho em equipa. No final, está prevista a realização de um ‘Demo Day’ onde os projetos serão apresentados a potenciais parceiros, clientes e investidores.

“Queremos transformar ideias inovadoras em negócios sustentáveis, com impacto na Região, através de uma metodologia de capacitação. Nesse sentido, o ‘Empreender@Braga’ contempla bootcamps, sessões de trabalho em equipa e mentorias especializadas”, refere Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga.

O programa deverá concentrar-se, essencialmente, nas áreas de negócio associadas à Economia Digital, Saúde e Bem-Estar, Mobilidade, Turismo, Clima e Economia Circular. “Estas são áreas que derivam, não só da estratégia de especialização de Braga enquanto hub de inovação e empreendedorismo, como também de alguns eixos prioritários na estratégia de desenvolvimento local”, explica o Autarca.

Com um formato híbrido, o ‘Empreender@Braga’ permitirá a candidatura de equipas já constituídas, como também de promotores que possam ter uma ideia de negócio, mas não disponham de equipa.

As candidaturas serão realizadas através do preenchimento de um formulário próprio que será posteriormente disponibilizado no portal do Município e no portal da InvestBraga.

INVESTIDOS MAIS DE 600 MIL EUROS NA REQUALIFICAÇÃO DA RUA COSTA GOMES

A Rua Costa Gomes, na União de Freguesias de Real, Dume e Semelhe, vai ser alvo de uma intervenção profunda de requalificação, numa empreitada com um valor global de 614 mil euros. Elaborado o projeto, o concurso público para a obra foi lançado esta semana.

Esta era uma via que estava sob a tutela da Infraestruturas de Portugal (IP) e que, a pedido da Autarquia e devido à falta de vontade demonstrada pela IP em efetuar a urgente intervenção, passou recentemente para a tutela municipal, passo que permite agora a obra tão aguardada.

Como sublinha Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, ´o estado de degradação da rua provocou, ao longo de vários anos, sucessivas queixas de moradores e dos diferentes Executivos da Junta de Freguesia´. “Foi necessário o Município solicitar a transferência desta via para a sua tutela, elaborar o projeto e disponibilizar-se a custear o investimento a realizar para que o mesmo esteja em vias de se tornar realidade”, afirma.

Fruto de auscultações junto da população e Junta de Freguesia, o projeto contém contributos de moradores e comerciantes da rua, nomeadamente no que se refere à criação de zonas de cargas e descargas. A obra privilegia os princípios da mobilidade urbana, indo muito além de uma mera repavimentação. Aposta nos modos ativos de transporte (pedonal, ciclável e coletivo), na diminuição do ruído e da emissão de gases poluentes e no aumento do conforto e segurança de quem ali circula diariamente. A intervenção prevê igualmente o aumento dos passeios e o ordenamento de trânsito.

A empreitada engloba, para além da requalificação da Rua Costa Gomes, todos os arruamentos e largos a esta adjacentes, nomeadamente a Travessa de Milhão, o Largo da Capela, a Rua 5 de Outubro, a Rua dos Artesãos de Real e a Av. S. Frutuoso.

Se os prazos decorrerem dentro da normalidade, a intervenção será concluída até ao final do ano, tendo um prazo máximo de execução de 180 dias.

“OLH’Ó TERATRO” COM NOVA EDIÇÃO VISANDO PROMOVER A CRIAÇÃO ARTÍSTICA

O Município de Braga lançou uma nova edição do programa «Olh’Ó Teatro» visando patrocinar a criatividade artística, o desenvolvimento de projetos culturais e o apoio aos agentes e entidades culturais Concelhios, tal como enunciado na sua Estratégia Cultural, num contexto em que se manifestam particulares fragilidades do sector.

As propostas podem ser apresentadas até às 17h00 do dia 30 de Abril. Os resultados serão divulgados no dia 16 de Junho. O resultado artístico final alvo deste apoio deverá estar apto para apresentação a partir do dia 01 de Setembro de 2021.

Com esta iniciativa, o Município de Braga pretende que os projetos apresentados impulsionem as dinâmicas culturais concelhias, ajudando a consolidar o sector cultural e criativo municipal. O valor total do programa é de 15.000€ e poderão ser selecionados até 8 projetos, com apoios que oscilam entre os 1.000€ e os 3.000€.

Com o programa «Olh’Ó Teatro 2021 – Convocatória Aberta de Projetos Artísticos no âmbito da Descentralização Cultural» pretende-se incentivar a criação artística na área do Teatro.

Numa ação complementar de apoio aos agentes e produtores teatrais concelhios, estes serão convidados a desenvolver projetos que tenham como objeto principal a reflexão sobre o território, o património material e imaterial, os usos, os costumes e as tradições locais. Requer-se uma reflexão sobre o presente, mas também, sobretudo, propostas que ajudem a pensar o futuro da cidade e dos seus habitantes.

A apresentação dos espectáculos decorrerá em vários espaços das diversas freguesias do Concelho, visando a crescente descentralização da programação cultural de Braga.

As candidaturas ao «Olh’Ó Teatro 2021» serão avaliadas por um júri constituído pelos seguintes elementos: Francesca Rayner, Professora e Diretora da Licenciatura em Teatro, Pedro Fiúza, encenador e dramaturgo, e Luís Sousa Ferreira, Consultor Artístico da Braga’27

 

Texto e fotos: Gabinete de Comunicação CM Braga / Etc e Tal jornal

 

01abr21

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.