Menu Fechar

Programação do Teatro Nacional São João (TNSJ) “abraça” território nacional e internacional

A programação do Teatro Nacional São João (TNSJ) até julho foi, há semanas, anunciada. Os espaços geridos pela Instituição – dos quais fazem parte o Teatro Carlos Alberto (TeCA) e o Mosteiro de São Bento da Vitória – vão receber uma dezena de espetáculos: cinco estreias, incluindo duas produções próprias, três espetáculos internacionais e quatro coproduções. As propostas programáticas incluem ainda iniciativas e projetos que visam reforçar os eixos estratégicos da Instituição, nomeadamente no que diz respeito à política de descentralização da Casa e internacionalização, bem como ao reforço das atividades do Centro Educativo e à aproximação à comunidade escolar.

No âmbito da operação de reabilitação do interior Teatro São João, incluída no programa operacional NORTE 2020, o edifício-sede da Instituição encontra-se temporariamente encerrado, pelo que a programação dos próximos quatro meses estará centrada apenas no TeCA e no Mosteiro de São Bento da Vitória.

Para além da modernização do seu parque técnico, as intervenções no Monumento Nacional projetado pelo arquiteto Marques da Silva vão permitir a recuperação de estruturas e elementos arquitetónicos degradados – no qual se insere, por exemplo, a renovação da arquitetura de cena e da estrutura de palco – ou ainda a atualização de equipamentos obsoletos, que irão resultar em melhorias significativas ao nível da segurança e da acessibilidade. Recorde-se que a operação envolve um investimento de 1,5 milhões de euros e insere-se no quadro das comemorações do Centenário do edifício-sede do Teatro Nacional São João.

O elenco “quase” residente – constituído por Afonso Santos, Joana Carvalho, João Melo, Maria Leite, Mário Santos e Rodrigo dos Santos –, apresentado aquando do lançamento do Centenário do São João, vê prolongado o seu vínculo à Instituição. Este aspeto é crucial para que o TNSJ, de forma estável, desenvolva projetos de médio prazo, reforçando a produção e digressão das criações próprias, de que são exemplos recentes Castro, O Balcão ou À Espera de Godot. Este grupo de atores tem também apoiado a Casa em projetos complementares essenciais para a formação de públicos, como oficinas, masterclasses ou leituras dramatizadas.

ESPECTROS A DUPLICAR: A PARTILHA DE TEMAS E OBSESSÕES

Depois de percorrer grandes nomes do teatro – como Georg Büchner, em A Morte de Danton, ou Jean Genet, em O Balcão – Nuno Cardoso, diretor artístico do Teatro Nacional São João, inscreve agora mais um importante dramaturgo no reportório da Casa. Desta feita, o encenador estreia a obra de 1881 do norueguês Henrik IbsenEspectros. No espetáculo, que conta o regresso a casa dos pais de Osvald Alving, assiste-se ao estrangulamento das vidas afetivas das personagens e à sua luta pela libertação do conservadorismo e da omnipresença do dinheiro em que se encontram.

A produção própria do São João conta com a interpretação do elenco “quase” residente e está em cena no Teatro Carlos Alberto de 20 de maio a 6 de junho.

Partindo deste projeto-satélite, Nuno Cardoso juntou-se a Rodrigo dos Santos, membro do elenco da Casa e músico, para criarem Sono. Este espetáculo, que partilha os mesmos temas e obsessões e até o espaço cénico de Espectros, tem como ponto de partida as relações estabelecidas na família que por sua vez são confrontadas e filtradas pela ideia de sono.

Dedicado ao público mais novo, com idades compreendidas entre os 6 e os 9 anos, Sono apela à participação ativa das crianças, que vão ajudar a construir esta peça com os seus “poderes” da invenção. A produção própria da Casa estreia-se a 29 de maio, no TeCA, sendo que também pode ser vista nos dias 4 e 5 de junho. A peça está ainda disponível para apresentação em escolas entre 1 e 3 de junho.

“KASTROKRIOLA” ESTREIA-SE NO DIA DE PORTUGAL E RUMA A CABO VERDE

Castro  (1598), do poeta António Ferreira, é uma das obras pioneiras da tragédia clássica em Portugal. Mas como será a história de amor de Pedro e Inês quando reescrita em crioulo pelo jovem dramaturgo cabo-verdiano Caplan Neves?

KastroKriola resulta do acordo de cooperação celebrado entre o Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas de Cabo Verde, o Ministério da Cultura de Portugal e o TNSJ. A coprodução culmina numa residência de artistas cabo-verdianos na Instituição, em trabalho estreito com Nuno Cardoso e toda a equipa do São João. A peça estreia-se no dia 10 de junho (Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas) e fica em cena até ao dia 12 desse mês, no Mosteiro de São Bento da Vitória. KastroKriola ruma depois a Cabo Verde e pode ser vista no Centro Cultural do Mindelo (25 a 27 de junho) e Auditório da Assembleia Nacional – Praia (3 a 5 de julho).

DIGRESSÕES NACIONAIS E INTERNACIONAIS COM O SELO “TNSJ”

Um dos reptos do TNSJ passa pela digressão das suas produções próprias, permitindo que sejam vistas por um número crescente de público. Este ímpeto, apesar da crise sanitária, começa a ser materializado de forma cada vez mais regular.

Além da já mencionada apresentação de KastroKriola em Cabo Verde, outras criações do São João estarão em evidência. No dia 6 de maioÀ Espera de Godot, com encenação de Gábor Tompa, sobe ao palco do Teatro Municipal de Bragança.

Achadiço, uma criação de Nuno Cardoso, ruma ao Luxemburgo para ser apresentado no dia 19 de junho, no Théâtre National du Luxembourg.

Já Castro, de António Ferreira, com encenação de Nuno Cardoso, sobe ao palco do Théâtre National du Luxembourg (18 e 19 de junho), do Festival de Almagro, em Espanha (7 de julho) e do Centro Cultural de Belém (27 e 28 de agosto).

DDD E FITEI

França, México ou Argentina são algumas das geografias que chegam aos espaços do TNSJ através do Festival Dias da Dança (DDD) ou do Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica (FITEI). Please please please, que integra o DDD, assinalou o arranque da programação do São João no passados dias 22 e 23 de abril, no Teatro Carlos Alberto.

Enquadrado na programação do FITEI, vai ser apresentado o espetáculo Um Museu Vivo de Memórias Pequenas e Esquecidas, entre os dias 7 e 8 de maio, no TeCA. A peça sobre os últimos 89 anos da história de Portugal conta com texto, direção e interpretação de Joana Craveiro.

Com o objetivo de reforçar a sua aposta na descentralização, o São João participa ainda, a partir de julho, no De Volta à Praça, um projeto saltimbanco que conta com a colaboração do Coliseu do Porto Ageas e de vários municípios da região do Norte.

Circlus e Rasto são os espetáculos “mais ou menos circenses” que prometem tomar de assalto as praças das terras que integram esta itinerância e levar a cada uma delas circo, música, humor, dança ou acrobacia, assim como oficinas de circo e marionetas. Os projetos são desenvolvidos por companhias portuenses – o Teatro da Palmilha Dentada e a Companhia Erva Daninha – e coproduzidos pelo TNSJ. De Volta à Praça decorre entre os dias 17 de julho e 19 de setembro.

CRIAÇÕES DO ENSEMBLE, MARCO MARTINS E CARLOS PIMENTA

Até julho, as coproduções da Casa contam ainda com o teatro do insólito de Eugène Ionesco, com Jacques ou a Submissão, uma proposta do Ensemble – Sociedade de Actores, que se estreou online no início de abril e que pôde ser vista no Teatro Carlos Alberto, de 28 de abril, e também, amanhã, 2 de maio. Já entre 10 e 13 de junho, o TeCA acolhe Perfil Perdido, uma encenação de Marco Martins, criada com o estreito contributo de Beatriz Batarda e Romeu Runa, que explora os corpos trabalhados como repositórios de memórias, em metamorfose e desdobramento. Outra das coproduções em destaque é Duelo, de Heinrich von Kleist, com direção cénica de Carlos Pimenta e interpretação de Miguel Loureiro. A peça é apresentada entre 1 e 10 de julho, no TeCA.

CENTRO EDUCATIVO: UM PROJETO EM MOVIMENTO

O São João continua a reforçar a sua aposta no Centro Educativo, que celebrou nos dias 24 e 25 de abril a apresentação de um dos seus projetos-bandeira, Visitações 2021: Liberdade. O programa, que foi transmitido online, incluiu a apresentação dos trabalhos desenvolvidos nas escolas e ainda o testemunho de artistas, professores e participantes. O TNSJ reforça ainda a sua ligação à comunidade escolar através do acolhimento das mostras públicas de Escolas Artísticas: projetos desenvolvidos pelos alunos finalistas de Teatro e de Dança da Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo, do Balleteatro e da Escola Superior Artística do Porto, assim como o espetáculo final do programa Território, uma parceria entre a Companhia Nacional de Bailado e os Estúdios Victor Córdon.

REABERTURA DO TEATRO SÃO JOÃO EM OUTUBRO

A reabertura do São João em outubro será assinalada com várias iniciativas. O TNSJ inaugura nesse mês uma exposição sobre os 100 anos de história do edifício-sede, uma mostra que explora a arquitetura, os diferentes fins do espaço, abordando ainda questões como a relação com a cidade e a história do país. Já entre os dias 22 e 24 de outubro, será promovido um colóquio internacional sobre os teatros nacionais na Europa, um momento que irá reunir dirigentes e artistas que trabalharam e reinterpretaram o conceito de teatro nacional e ainda especialistas na matéria.

 

Texto e fotos: Central de Informação / Etc e Tal jornal

Foto de destaque: Lothar Knopp

01mai21

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.