Menu Fechar

A ilusão

Orlando Esteves

 

Somos muitos…

Somos tantos…

Um número incalculável…

Somos como formigas…

Ou são elas que são como nós!

Há muitas semelhanças…

Também somos pequenos!

Pequenos perante a imponência do mundo…

E, muitas vezes, também viajamos sem rumo…

Sem lógica…

Também somos frágeis!

Extremamente frágeis!

Mais que aquilo que imaginamos…

Neste momento, aí vão eles…

Uns para o trabalho…

Outros para casa…

Outros para ali…

Outros para acolá…

Aí vão eles…

Sem rumo!

Focados na floresta…

Sem olhar para as árvores!

Estão hipnotizados…

O “todo” é protagonista!

A “parte” é figurante…

E aí vão eles…

Mais um dia…

Menos uma oportunidade…

Menos uma chance para ser grato!

Grato pelo detalhe!

Agradecer pelo que temos!

Pelo que é simples e majestoso!

Porque não sabemos o que o futuro nos reserva!

Porque o que “hoje” é garantido, “amanhã” pode ser perdido!

 

Um suspiro…

 

Num único suspiro, tudo muda!

Tudo se ganha…

Tudo se perde…

E pode “chegar” o arrependimento…

A dor por não ter valorizado…

A frustração por não ter aproveitado…

Devemos aproveitar tudo!

Temos de aproveitar tudo!

O que por nós foi conquistado…

E o que para nós foi enviado…

Tudo!

Neste momento, sem nada o fazer prever, alguém acorda pela última vez…

Alguém cumpre a sua rotina pela última vez…

Alguém se despede pela última vez…

Alguém suspira pela última vez…

E esse alguém poderá ser qualquer um…

Qualquer um pode estar, neste momento, a desperdiçar o seu tempo!

Iludido!

Pensando que o “fim” está longe!

Que podemos determinar o momento em que ele chegará…

É falso!

Dificilmente saberemos…

E até lá?

Até lá, muitos não vivem…

Sobrevivem!

Neste momento, por estarem iludidos, muitos não aproveitam os seus últimos momentos…

Consciência!

Devemos ser conscientes da nossa fragilidade…

Devemos saber que a despedida poderá acontecer sem um “adeus”…

Provavelmente, será inesperada!

E até lá?

Até lá, é imperativo viver cada dia como se fosse o último!

Valorizar o que temos!

E todos temos muito!

Temos a oportunidade de, diariamente, viver mais um dia!

E cada dia será mais uma oportunidade!

A oportunidade de ser feliz!

Cada um à sua maneira!

Eriksen

Decorria o segundo dia do Campeonato da Europa, aquele que está a ser jogado com um ano de atraso, e o mundo parou…

Na Dinamarca, o duelo era entre duas nações escandinavas: Dinamarca vs Finlândia.

Perto da linha lateral, junto aos adeptos que vão regressando aos seus estádios, o camisola dez da Dinamarca, o craque de uma nação, caiu com estrondo no relvado…

Um ser humano lutava pela vida!

O pânico dominou qualquer um…

E o mundo parou…

É em momentos como aquele que fazemos uma pausa para refletir sobre o quão frágeis somos!

Naquele momento, ninguém ficou indiferente…

Porque, naqueles momentos, todos tivemos a capacidade de identificar em Eriksen um pouco de nós…

Alguém que, de um momento para o outro, pode adormecer para sempre!

Sem despedidas!

Com tanto por dizer!

Com tanto por fazer…

O momento em que a esposa desce até ao relvado é comovente…

A reação do capitão da seleção dinamarquesa foi nobre!

Dentro daquilo que era possível, tentou acalmar a mulher, a esposa, a mãe do filho de Eriksen.

E, felizmente, aquele que é filho, pai, marido, amigo e, por fim, jogador, conseguiu escapar a uma situação que nos fez temer o pior…

Sem estar definido o futuro do atleta, é certo que o presente do homem estará repleto de gratidão pela segunda oportunidade que lhe foi dada para viver!

Porque, embora pareça básico e, por consequência, algo que pouco valorizamos, só uma vida com saúde poderá oferecer-nos a possibilidade de desfrutar do que existe de mais simples e belo.

E, para nós, ficou a lição!

A lição de que devemos aproveitar cada momento como se fosse o último pois nunca saberemos se, de facto, o que estamos a viver não será o derradeiro.

 

Foto: pesquisa Web

 

01jul21

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.