Menu Fechar

Sussurro de jasmim

Bruno Ivo Ribeiro (*)

 

Naquele caminho de luz em que as flores acesas valsam com a brisa da alvorada, reina um doce perfume a erva-mate, que de tão intenso se faz aqui presente.

Este aroma iniludível é a repercussão telúrica desses sonhos egrégios. É o sorriso ancestral de uma natureza que clama e se renova. É o incenso da terra que floresce.

Só a valsa das flores tolda a orquestra. E só esta quermesse improvisada traduz os passos das gentes.

De flores não passamos, às cinzas não escapamos.

Mas enquanto valsarmos, que em cada brinde de alvorada possamos beijar o futuro que nos habita, e que dele nasçam os sorrisos imortalizados no mármore dos artistas.

Que todo ser seja uma obra de arte, e que em cada cinzel se descortine um relógio. Que à poeira dos dias se somem os sorrisos das horas, para que o passado seja lembrado com um brinde.

Que o fio do destino se converta em sorriso delineado, e que possamos abraçar com a alma, os olhos que já nos beijaram em amor sincero.

Casem-se sol os amantes enamorados, e triunfem em paz os conquistadores dos medos.

Que o corajoso sensato sinta o crepúsculo arrepiar-lhe a epiderme. E que a subtileza de uma vela acesa se harmonize com a de o nervosismo do noivado anunciado.

Quem estoicamente persevera na noite, não tem que temer a alvorada. Antes a recebe no seu regaço, para que de si brote o presente embrenhado de luz.

É preciso dar à luz os sonhos.

É necessário cheirar o incenso suspirado pela terra ao amanhecer.

Porque é preciso ser livre, ser forte, e ser seguro.

 

 

(*) texto e foto

 

©Direitos de Autor Reservados

 

01julho.21

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.