Menu Fechar

“Paisagem Etérea” em Santa Catarina dá as boas vindas ao regresso do comércio e dos clientes

O convite é para ter os pés assentes em terra enquanto faz compras no comércio tradicional. Porque a cabeça, para quem passa em Santa Catarina, estará no céu e na instalação da designer Madalena Martins, que nesta manhã de quinta-feira está completamente pronta, tendo já suscitado muita curiosidade aquando da sua montagem. Chama-se “Paisagem Etérea” e pretende assinalar um marco de boas vindas ao setor do comércio, depois de meses de ausência e sem contato direto com o cliente.

O objetivo do Município do Porto é “suscitar no público a vontade de usufruir de uma experiência de compras em harmonia, num manto de tranquilidade, numa das ruas de comércio mais identitárias da cidade”. O azul celeste é a cor predominante, como predominante é o azul das máscaras descartáveis “que nos cobrem as expressões e nos dificultam a respiração”.

Mas a cor quer ser para lá disso, quer ser “o céu que dança livre por cima das nossas cabeças”, enquanto acalma o vermelho nervoso, acompanha o amarelo alegre e se conjuga com a serenidade de outros azuis. Uma bipolaridade de cores e movimentos que “representa a tensão que vivemos” ao mesmo tempo que nos leva “por uma viagem desafogada, de pensamentos livres que nos fazem flutuar por este tapete voador, num bailado conduzido pelo vento”.

“Acreditamos que um dos fatores diferenciadores do comércio de rua do Porto assenta nas particularidades da interação humana, que faz com que todas as pessoas que vivem a cidade queiram voltar, dinamizando as ruas e contribuindo para que seja um foco permanente de atratividade e dinamismo”, afirma a Câmara do Porto.

A ação nasceu a propósito da iniciativa “Lojas de Rua”, que o Município vem promovendo desde 2016 com o objetivo de atrair as pessoas a ruas de comércio da cidade, conjugando animação e a dinamização do comércio tradicional, com as promoções dos comerciantes. Madalena Martins tem sido escolhida pela Câmara do Porto para decorar a cidade em diversas ocasiões.

É dela a intervenção artística que, em 2019, uniu as lojas e edifícios da Rua de Cedofeita com fitas de várias cores. Na época natalícia desse ano, a designer levou ao Gabinete do Munícipe a instalação “Natal é calor que se vê por dentro”, 17 mil metros de película com origem nos desperdícios de produção gráfica industrial, nomeadamente excedentes da impressão de rótulos de vinho.

Além da vertente ecológica, os trabalhos de Madalena Martins estão aliados a uma forte componente social. Tal como esta “Paisagem Etérea”, a maioria é realizada por reclusos de estabelecimentos prisionais e oficinas de reinserção social.

 

Texto e fotos: Porto. / Etc e Tal jornal

 

01ago21

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.