Menu Fechar

“Cintura”, de José Pedro Cortes, patente na Escola das Artes da “Católica”, no Porto, até 17 de dezembro

 Cintura” é o nome da mais recente exposição do artista português José Pedro Cortes, com curadoria de Sylvia Chivaratanond. A exposição tem o apoio da Câmara Municipal do Porto, ao abrigo do Programa de Apoio à Criação Artística CRIATÓRIO e está patente na sala de exposições da Escola das Artes da Universidade Católica no Porto. “Cintura” tem entrada livre e encontra-se patente até 17 de dezembro de 2021.

 “O futuro pertence àqueles que entendem que fazer mais com menos é compassivo, próspero e duradouro e, portanto, mais inteligente e até competitivo.” A frase é de Paul Hawken, ambientalista e empreendedor e serve de mote à exposição de trabalhos inéditos do artista José Pedro Cortes, com curadoria de Sylvia Chivaratanond.  

 “Cintura” explora as vastas estruturas da VCI, um mapa entrelaçado de autoestradas e anéis circulares que ligam as pontes do centro do Porto à periferia da cidade ao longo do Rio Douro. Com origem na década de 1960 e ampliada em 1989, a VCI é descrita como uma espécie de artérias de entrada e saída da cidade e que teve um papel vital na formação e desenvolvimento do Porto. Cortes cresceu e deslocou-se pela VCI enquanto adolescente e desenhou um retrato íntimo do seu sistema pulsante visto através da sua objetiva.

Como já é normal no trabalho de Cortes, as fotos evocam momentos íntimos que são misteriosos e pessoais, quase como se a VCI fosse uma personagem por si só. Diariamente, a VCI conta com bastante movimento de pessoas, sendo difícil imaginar que todo esse movimento desacelere, como se o artista nos lembrasse que a humanidade possa estar nessa mesma trajetória – uma metáfora sobre a cultura contemporânea, ou talvez a falta dela.

Ou ainda, talvez queira apontar para os meros atos transgressivos que já ocorreram nessas estradas. Em contraste com a natureza, a VCI foi construída pelo homem e atende às necessidades do capitalismo. Ainda assim, a ironia que existe por trás é que devemos entrar nos nossos carros e usar essas mesmas estradas para chegar à natureza, ou, tal como Ralph Waldo Emerson escreveu: “Adote o ritmo da natureza – o segredo dela é a paciência; na realidade, é algo que todos devemos adotar para poder entrar e sair da VCI”.

EXPOSIÇÃO CINTURA 

José Pedro Cortes até 17 DEZEMBRO

Curadoria de Sylvia Chivaratanond

Entrada Livre · de terça a sexta · 14H00 – 19H00

Sala de Exposições da Escola das Artes da Católica

Rua de Diogo Botelho, 1327, 4169-005 Porto

 

 

Texto: Patrícia Gomes (young network group) / Etc e Tal jornal Imagem: organização

 

01nov21

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.