Menu Fechar

“Desdesenho”, de Tomás Cunha Ferreira, é a nova exposição do Gabinete de Desenho na Casa Guerra Junqueiro

O Museu da Cidade do Porto – Casa Guerra Junqueiro acolhe a exposição “Desdesenho”, até 2 de janeiro. O artista, poeta e músico Tomás Cunha Ferreira trabalha o desenho enquanto prática ampla, um circuito aberto em explosão de cor e de possibilidades.

Um poema visual, uma partitura, uma notação para uma peça coreográfica, uma pintura, o padrão que se repete ou até uma palavra – o título da exposição Desdesenho – condensam em si o projeto de desenho, na perspetiva do artista lisboeta Tomás Cunha Ferreira.

Na Casa Guerra Junqueiro , situada na Rua de Dom Hugo, junto à Sé, há um gabinete que tem vindo a apresentar universos de artistas dedicados à prática-pensamento do desenho, forma de projetar e imaginar. É nesta perspetiva ampla, e na sequência da exposição do inventor e construtor de máquinas e papagaios voadores, António Veiga Leitão, que surge este Desdesenho. Caleidoscópica, em fusão de elementos visuais, rítmicos e sonoros, a exposição vai da mesa à parede, e da linha do desenho surgem figuras tridimensionais que saem dos cadernos de Tomás Cunha Ferreira.

O artista não se senta a desenhar, mas chega ao desenho através de múltiplos caminhos e experiências, em sobreposição, camuflagem, e sobreposição. Desenhar, ou “desdesenhar”, torna-se então um gesto, que aparece como registo de intuições e perceções da sua passagem pelo tempo e pelo espaço do mundo.

Na mesma lógica de colagem e colisão de elementos, Colapso é a rubrica que Tomás Cunha Ferreira dedica semanalmente à Rádio Estação, em dupla com o músico Domenico Lancellotti, para ouvir no sítio invisível do Museu da Cidade, todas as sextas às 23 horas, com repetição segundas às 16 horas.

A equipa de mediação do Museu da Cidade concebeu um programa de oficinas, que teve início no passado sábado, 30 de outubro, e que decorrem todos os sábados, com mais informações e inscrições a anunciar brevemente.

Desdesenhar” tem entrada gratuita e pode ser visto até 2 de janeiro de 2022 de terça a domingo, entre as 10 e as 17,30 horas, excetuando os dias feriados.

 

Texto: Porto. / Etc e Tal jornal

Imagem: Tomás Cunha Ferreira

 

01nov21

 

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.