Menu Fechar

E um ror de gente voltou, dois anos depois, a sair à rua para festejar o SÃO JOÃO DO PORTO! Cor, alegria, música e cheiros inconfundíveis regressaram à Invicta dando-lhe renovada vida… Veja as fotos (mais de 50) que temos para si

Dois anos depois – interregno forçado pela pandemia – o São João do Porto fez com que milhares e milhares de pessoas saíssem às ruas da cidade, na tradicional noitada de 23 para 24 de junho, desta feita, com atrativos “descentralizados”, devido às obras da Metro, no “coração” da Invicta (leia-se Praça da Liberdade). Os polos de referência foram os jardins do Palácio de Cristal, a zona da Cordoaria e o largo junto à Casa da Música, com as atuações musicais dos Noventeiros – Romana, Saul e Marante -; Toy e José Malhoa, e ainda Chico da Tina, respetivamente.

O fogo de artifício – sempre à meia-noite -, desta vez, não efetuado da ponte de Luiz I., mas a partir de estruturas flutuantes localizadas no rio Douro frente às ribeiras do Porto e de Gaia, foi espetáculo emocionante, que durou cerca de quinze minutos. Para além da multidão que o contemplou presencialmente, destaque também para os milhões que o acompanharam – é justo referir, destacando, este facto – pela RTP.

Foto: Porto.

Com o São Pedro a ajudar à festa (não choveu no Porto desde o final da manhã do dia 23), tripeiros e forasteiros consagraram o “santo rapioqueiro”, não só nos polos atrás referidos, mas nos muitos bairros espalhados pela cidade, assim como em coletividades e instituições que não encerraram portas a noite inteira.

E como as imagens valem por “mil palavras”, eis os registos de Carlos Amaro e Ursula Zangger, além de outros registos de repórteres fotográficos do “Porto.”, na “tripeiríssima” noite mais longa do ano, antecedendo o seu Dia da Cidade (24 junho).

 

Carlos Amaro

 

O nosso repórter  Carlos Amaro foi da Boavista até às Fontainhas, local emblemático dos festejos sanjoaninos, mas, ao que parece, por lá já nada é como era dantes. Ficam os registos, muito peculiares do S,. João do Porto, alguns dos quais passam despercebidos a outras objetivas…

A Rua de Santa Catarina ainda “despovoada”

As Fontainhas, ao longe, “desértica”

“Divertimentos”, nas.. Fontainhas

A confeção das farturas

 

Ursula Zangger

 A nossa repórter  Ursula Zangger deu uma saltada a Leça da Palmeira, onde, pelos vistos, o S. João também é festejado, depois andou pela tripeira freguesia do Bonfim, para, finalmente, centrar o seu trabalho no Espaço Musas, retratando aquilo que as coletividades da Invicta fazem, tradicionalmente, neste dia sempre especial…

Pelo Bonfim…

São servidos?
Os balões nos céus do Porto
No Espaço Musas…

O fogo de artificio ao longe

E (OFICIALMENTE) TUDO COMEÇOU AO… INÍCIO DA TARDE

O “Porto.” deu, obviamente, também destaque ao S. João tripeiro. O órgão informativo digital e oficial da Câmara do Porto, reportou a entrega de manjericos, ao início da tarde do dia 23, por Rui Moreira e outros elementos do executivo, através da repórter Filipa Brito

MARCELO REBELO DE SOUSA, O BISPO DO PORTO E RUI MOREIRA

Depois, aconteceu o tradicional cumprimento, a meio do tabuleiro superior da ponte Luiz I., de Rui Moreira ao seu congénere de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues – cidade na qual o S. João também é rei-, e outros momentos vividos na Ribeira.

Destaque, igualmente, para a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e do Bispo do Porto, D. Manuel Linda…

A RIBEIRA À LUZ DO DIA

E, durante a tarde e final da mesma, já se começava a adivinhar aquilo que seria a noitada sanjoanina. A multidão já invadia, neste caso particular, a Ribeira.

E o São João do Porto – por isso ser um festejo único no mundo -, teve também momentos muito peculiares…

E, como em todas as festas, não faltaram os divertimentos e a tradicional doçaria, com realce para as farturas,. Claro está, que o S. João do Porto não fugiu, obviamente, à regra…

A NOITADA…

E com a chegada noite, preparou-se a “noitada”, a começar logo após o espetáculo pirotécnico, que foi – como sempre! – o ponto alto dos festejos. Antes desse momento, a multidão circulou pela cidade, elegendo como ponto central a Ribeira do Porto.

Entre a ror de gente que invadiu a cidade, houve sempre quem se destacasse… 

Depois não faltaram os bailaricos, com música ao vivo, protagonizada por artistas conhecidos da nossa “praça”…

A QUADRA…

E eis uma, pertinente, chamada de atenção através das populares quadras sanjoaninas… desta feita no Bairro das Eirinhas, na freguesia do Bonfim.

O FOGO… E QUE FOGO!

E, por fim, e sem palavras, as imagens (Porto.) do monumental fogo de artificio…

VÊM AÍ AS RUSGAS 

Agora, espera-se pelo dia 02 de julho, com a realização das RUSGAS DO PORTO, pelas artérias centrais da cidade. O “Etc. e Tal” vai lá estar e reportará também esse acontecimento, com o devido destaque…

 

Texto: José Gonçalves

 

24jun22

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.