Menu Fechar

17.º Festival Internacional dos Açores com grandes nomes do panorama musical nacional e internacional

O Festival Internacional dos Açores nasceu na plenitude do Oceano Atlântico. O arquipélago açoriano apresenta-se como porto seguro a todos os que cruzam as águas e céus que separam os continentes europeu e americano.

O período que se seguiu à 2.ª Guerra Mundial foi particularmente movimentado para as ilhas que, como escalas de voos transatlânticos, recebiam os viajantes que se deslocavam de e para Nova York. Movimentos pendulares que, invariavelmente, trouxeram a algumas cidades insulares a presença de reconhecidos músicos internacionais, que imprimiram um particular dinamismo ao ambiente cultural dos Açores.

Uma vida cultural que nem a instabilidade tectónica açoriana pôde travar. Após o grande terramoto de 1980,  que quase destrói a cidade de Angra de Heroísmo, Jorge Forjaz, então diretor da Direção Regional de Ação Cultural dos Açores, concentra esforços no reconhecimento da importância cultural e histórica da ilha e da cidade que se torna Património UNESCO da Humanidade três anos depois.

Adriano Jordão, pianista (foto: Luís Coelho)

Em 1984, juntamente com Adriano Jordão, cria na ilha de S. Miguel, o Festival Internacional dos Açores, alimentando a onda de dinamização cultural e patrimonial insular. Juntos, levam ao Teatro São Micaelense, a soprano Teresa Berganza, à qual se seguiram alguns dos maiores nomes da música: Alicia de Larrocha, Moura Lympany, Ileana Cotrubas, Lella Cuberli, Sandor Végh, Ingrid Haebler, António Meneses, Maurice Bourg, entre outros, que até 2002 visitaram o arquipélago, trazendo a sua Arte. 

Adriano Jordão, um dos fundadores do Festival Internacional dos Açores, sublinha que “este projeto sempre foi muito especial para os Açores, e que esta edição é ainda mais especial, devido não só à sua ligação pessoal a José Saramago, como também à ligação de José Saramago à música. O violoncelo foi uma das fragilidades de Saramago”, rematou Adriano Jordão. 

“O Festival nasceu nos Açores, quando o Dr. Jorge Forjaz foi secretário da cultura nos Açores e numa das suas viagens a Itália pretendeu replicar o que viu num festival de música clássica em Itália. Sem verbas para a concretização de um festival emergente nos Açores, fomos atrás de apoios e um homem ligado à música e à indústria petrolífera apaixonou-se pelo projeto e financiou o primeiro festival em 1984. Teresa Berganza foi a primeira artista do Festival. 

O Festival  prosseguiu  com outros apoios, mas em 2002 parou uma vez que fui nomeado Conselheiro Cultural do Brasil.  Assim que regressei a Portugal falei com o Tiago Nunes, actual diretor artístico e presidente da CulturXis, e o festival regressou felizmente o ano passado”.

UMA ORGANIZAÇÃO ‘CULTURXIS’

Atualmente o Festival Internacional dos Açores é organizado pela CulturXis, uma associação que junta vários jovens oriundos de va?rias artes e que tem como missa?o institucional promover, desenvolver e divulgar iniciativas voltadas para o desenvolvimento cultural das regiões. 

Tiago Nunes, atual diretor artístico e presidente da CulturXis, realça “que esta 17ª edição tem oito concertos dos quais cinco são gratuitos. A Terceira e São Miguel recebem nomes ímpares da música, e através das Masterclasses, temos oportunidade de privar e aprender com os músicos presentes, criando pontes de aprendizagens, democratizando assim o acesso à cultura”

 O Festival Internacional dos Açores junta, a um cartaz de peso, as riquezas históricas, gastronómicas e paisagísticas de uma região cheia de caráter, moldada pela presença do mar, com paisagens de cortar a respiração. É neste cenário arrebatador dos Açores, que receberemos a 17. ª edição do Festival Internacional dos Açores,  que comemora o centenário do nascimento de José Saramago. 

O aliciante programa musical da edição de 2022 do Festival Internacional dos Açores, em sintonia com o património natural e edificado das ilhas de São Miguel e Terceira, conta ainda com atividades complementares, tais como 

masterclasses e atividades de sensibilização e valorização da herança natural e cultural açoriana, chamando assim a atenção não só para a arte e a criatividade lato sensu, mas também para a sustentabilidade ambiental e para a importância do trabalho interdisciplinar e em rede em todos os domínios. 

De realçar que, a 17ª edição do Festival Internacional dos Açores, encerra com um espetáculo a favor da UNICEF Portugal, protagonizado pela pianista Gülsin Onay, Embaixadora da Boa Vontade desta instituição na Turquia. Na opinião de Luísa Motta (UNICEF  Portugal), “esta é uma iniciativa solidária que espelha o papel que a cultura pode ter.”

 

Texto: Liliana Soares (icloud) / Etc. e Tal

Fotos: organização

 

 

04ago22

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.