Menu Fechar

Greve de professores por distritos também encerrou as escolas do concelho de Ovar

A onda de protestos, greves e manifestações dos profissionais da Educação, em que se destacam os professores, que vem percorrendo o país de norte a sul, em que se observa um surpreendente despertar da disponibilidade dos docentes, para uma luta com reivindicações com que há muito se debatem sem respostas da tutela, no que toca à precariedade, congelamento de carreiras, mobilidade por doença, contagem de todo o tempo de serviço ou a dignificação destes profissionais, bem como a defesa da escola pública, que também em Ovar responderam positivamente ao apelo da greve de professores por distrito, que agendou o dia 17 para Aveiro com concentração nesta cidade, reunindo debaixo de forte temporal (vento e chuva) para mais uma jornada de luta.

 

José Lopes

(texto e fotos)

 

Considerada uma das grandes mobilizações de professores no distrito de Aveiro, com uma extraordinária adesão à greve e às ações de protesto à porta das escolas. No concelho de Ovar, com três agrupamentos de escolas, Agrupamento de Escolas de Ovar Norte, Agrupamento de Escolas Ovar Sul e Agrupamento de Escolas de Ovar, as escolas dos vários ciclos de ensino básico e secundário encerraram, em várias delas com alguma participação dos não docentes, particularmente assistentes operacionais.

Como ponto de encontro para reunir os protestos dos profissionais da educação que foram aderindo à greve em Ovar, a portaria da escola secundária José Macedo Fragateiro, sede do AEO, foi dando origem a uma concentração de docentes munidos de cartazes com várias mensagens e reivindicações, com que se fizeram acompanhar dando inicio à sua adesão a partir da escola em que lecionam, como se assistiu na porta da escola sede e na EB (2.º Ciclo) António Dias Simões, as escolas do AEO com maior numero de alunos que foram determinantes na mobilização para a greve subscrita por sindicatos de professores e educadores, como, a FENPROF, ASPL, SEPLEU, SIPE, SINDEP, SPLIU ou a Pró-Ordem.

Estas greves por distrito, tal como as greves e tantas outras ações de protesto organizadas e convocadas pelo Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (STOP), que, desde o dia 9 de dezembro, despoletou greve por tempo indeterminado e acabou por ser aglutinador de uma certa irreverencia dinamizada nestas jornadas de luta na educação. Animaram e juntaram forças para decisivas em vésperas de negociações, ainda que as propostas do Governo ainda estejam longe, nomeadamente na redução da precariedade dos professores, de corresponder às reivindicações sindicais.

 

 

19jan23

Partilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.